PF: envolvido na morte de homem negro não tinha registro de segurança

Segundo a Polícia Federal, o segundo acusado terá o documento suspenso

Com informações do G1

Um dos seguranças presos pela morte de Beto Freitas, homem negro espancado na noite de quinta (19), em Porto Alegre, não tinha o registro para exercer a profissão, informou a Polícia Federal.

Leia mais:

Delegada diz que morte de Beto Freitas no Carrefour não foi racismo

'A gente gritava estão matando o cara, mas continuaram até ele parar de respirar'

'Nós esperamos por justiça', diz pai de homem negro morto em Carrefour do RS

Homem negro é espancado até a morte por seguranças de supermercado

Segundo a PF, que emite o documento, é necessário ter a carteira nacional do vigilante para fazer "a abordagem ativa de contenção".

Giovane era policial militar temporário e "não poderia tirar registro de segurança", informou o coronel Rodrigo Mohr Picon, comandante-geral da Brigada Militar. "Por lei é vedado o exercício de qualquer outra atividade remunerada", afirmou.

Já o segundo preso, Magno Braz Borges, 30 anos, possui o registro, mas não consta no banco de dados com vínculo à empresa que prestava serviço e terá o documento suspenso, de acordo com a Polícia Federal.

Os autores do crime foram presos em flagrante na noite de quinta.

João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi espancado e morto por dois homens brancos na véspera do Dia da Consciência Negra. Ele fazia compras com a esposa quando teria feito um gesto para uma fiscal de caixa. Ela chamou a segurança, que levou João Alberto para o estacionamento do supermercado, onde ocorreram as agressões.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL