Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Justiça nega habeas corpus a policial que matou tesoureiro do PT

Guaranho está preso no Complexo Médico Penal, em Pinhais, no PR

O Liberal

O policial penal Jorge Guaranho, denunciado por homicídio qualificado por matar a tiros o guarda municipal Marcelo Arruda, vai seguir preso no Complexo Médico Penal, em Pinhais, região metropolitana de Curitiba, após a Justiça do Paraná negar o pedido de habeas corpus (HC) em seu favor. A defesa de Guaranho havia pedido que a prisão preventiva fosse transformada em prisão domiciliar humanitária. As informações são da Agência Brasil.

VEJA MAIS:

Justiça converte prisão preventiva para domiciliar a bolsonarista que matou petista
Para a defesa, o Complexo Médico-Penal de Pinhais, em Curitiba (PR) não tinha estrutura suficiente para receber o bolsonarista. Por ser agente penal federal, Guaranho deveria uma cela isolada dos demais detentos

Policial bolsonarista atirou 3 vezes e petista efetuou 13 disparos, aponta laudo
Marcelo Arruda, tesoureiro do PT, foi morto a tiros na própria festa de aniversário, após ser atingido pelos tiros disparados por Jorge Guaranho, apoiador do presidente Bolsonaro

Câmeras de segurança mostram discussão entre militante petista e bolsonarista; veja o vídeo
O policial penal federal Jorge José da Rocha Guaranho, apoiador de Bolsonaro, invadiu o aniversário e atirou contra Marcelo Aloizio de Arruda, apoiador de Lula, que morreu

Na decisão, tomada  na noite de sábado (13), o desembargador Adalberto Jorge Xisto Pereira 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) manteve a prisão preventiva do acusado com o argumento de que o cenário “conturbado”, em razão da proximidade das eleições.

Segundo o magistrado, a concessão da prisão domiciliar pode “gerar novos conflitos entre pessoas com diferentes preferências político-partidárias”. Guaranho é apoiador do presidente Jair Bolsonaro e Arruda era tesoureiro do PT em Foz do Iguaçu e apoiador do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

No pedido  a defesa de Guaranho argumentou  que a ordem de prisão preventiva seria ilegal e que o policial penal não apresentava riscos à ordem pública. “A intolerância, motivada por exagerada paixão, não pode ser aceita e deve ser coibida pelo Poder Judiciário, tendo em vista as eleições que se avizinham e o panorama o atual processo eleitoral, sob pena de consequente sensação de impunidade, que poderá gerar novos conflitos entre pessoas com diferentes preferências político-partidárias”, argumentou o desembargador.

A defesa também alegou que Guaranho ainda se recupera dos ferimentos sofridos durante o episódio que resultou na morte de Arruda e que precisaria de cuidados especiais para se restabelecer. “Ele sequer consegue andar, sua visão está comprometida, não tem condições de se alimentar sozinho e, evidentemente, não consegue realizar a sua higiene pessoal” argumentou a defesa. 

Ao manter a preventiva, o desembargador reforçou o fato de que “a Administração Pública tem plenas condições de prestar a assistência de que necessita o paciente”. “Da atenta leitura do quanto se tem nos autos de origem, ao que tudo indica, ele necessita de cuidados a serem dispensados por médicos, fisioterapeutas e fonoaudiólogos visando tão somente sua reabilitação física, nada apontando para eventual risco de morte”, apontou o desembargador.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL