Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Delegada que tinha R$ 1,7 milhão em casa e foi presa em operação é transferida para presídio

No endereço de Adriana Belém, onde foram apreendidos R$ 1.765.300, estava entre os locais dos 119 mandados de busca e apreensão da Operação Calígula

O Liberal

A delegada afastada do Rio de Janeiro, Adriana Belém, já está presa no Instituto Penal Oscar Stevenson, em Benfica, na zona norte do Estado. Na última terça-feira (10), ela teve a prisão decretada após a Operação Calígula, do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), deflagrada contra uma rede de jogos de azar. Na casa da policial foi encontrado R$ 1,7 milhão. Ela foi levada para a Corregedoria da Polícia Civil onde passou a noite, mas nesta quarta-feira (11) foi transferida para o presídio. As informações são da Agência Brasil.

VEJA MAIS

Adriano Imperador apaga fotos deste com delegada Adriana Belém após operação policial
Temendo repercussão negativa, assessora de Adriano Imperador apagou das redes sociais fotos do ex-jogador com a delegada Adriana Belém, presa durante operação policial. O atleta afirmou que jamais tomaria esta atitude e que é muito grato à delegada

Operação contra jogos de azar encontra R$ 1,7 milhão em casa de delegada
Foram descobertos R$ 1,2 milhão em sacos de grifes famosas e pouco mais de R$ 500 mil em uma mala

Antes da transferência, ela foi levada ao Instituto Médico Legal (IML) para cumprir as normas de entrada no Sistema Prisional do estado. Além da prisão, a delegada foi exonerada do cargo que ocupava na Secretaria Municipal de Esportes e Lazer do Rio de Janeiro, como comprova a portaria publicada no Diário Oficial do município de hoje.

A Operação Calígula busca reprimir as ações da organização criminosa que tem à frente o bicheiro Rogério de Andrade e seu filho Gustavo de Andrade, e é integrada por dezenas de outros criminosos, entre eles o policial militar reformado Ronnie Lessa, denunciado como executor do assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, em 14 março de 2018.

Foram cumpridos 119 mandados de busca e apreensão por agentes da Força Tarefa do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) para o caso Marielle e Anderson (Gaeco/FTMA ) e da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ). A Operação Calígula incluía ainda 24 mandados de prisão deferidos. Desses, 14 foram cumpridos ontem pelos agentes do MPRJ, um deles para o delegado de polícia Marcos Cipriano, que foi levado para a Corregedoria da Polícia Civil e depois transferido para Bangu 8, no Complexo Prisional de Gericinó, na zona oeste do Rio de Janeiro.

A advogada Luciana Lopes, que defende a delegada Adriana Belém, disse, em resposta à Agência Brasil, que o pedido de prisão foi feito antes da contagem dos valores encontrados na casa da cliente. Por isso, ela considera a prisão prematura e desnecessária. "A defesa vai tentar que o juiz reconsidere a prisão que, ao sentir da defesa, é temerária”, disse.

A Secretaria de Estado de Polícia Civil (Sepol) informou, em nota, que os dois delegados alvos da operação não exerciam cargos atualmente na Polícia Civil. “Eles estão afastados e lotados em outros órgãos”. A secretaria acrescentou que a Corregedoria-Geral da instituição solicitaria acesso às investigações para dar andamento aos processos administrativos necessários.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL