Consumir peixe de água fria ajuda a prevenir Alzheimer, comprova estudo

Os peixes participantes do estudos são ricos em ômega-3, que auxilia na saúde do cérebro

Karoline Caldeira
fonte

Comer peixes oriundos de água fria pode preservar a saúde do cérebro e prevenir a doença de Alzheimer, diz estudo conduzido por pesquisadores do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Texas, nos Estados Unidos. Além dos peixes, consumir uma dieta rica em ácidos graxos ômega-3, mesmo em idades mais jovens, pode ajudar a evitar diversas doenças que acometem pessoas da terceira idade. As informações são do portal O Globo.

Os principais peixes de água fria são: sardinha, salmão, arenque, atum e anchova. A pesquisa foi feita com cerca de dois mil participantes livres de demência e derrames e com idade média de 46 anos.

A equipe analisou a relação das concentrações de ácidos graxos ômega-3 nos glóbulos vermelhos com ressonância magnética e marcadores cognitivos do envelhecimento cerebral, além de estudar os efeitos das concentrações de glóbulos vermelhos ômega-3 em voluntários que carregavam APOE4, uma variação genética ligada ao maior risco de doença de Alzheimer.

VEJA MAIS

image Dia Mundial da Doença de Alzheimer é marcado pela luta em sensibilizar a população sobre a condição
Cerca de 100 mil casos são detectados por ano no Brasil; doença é neurodegenerativa e progressiva 

image Alzheimer: confira os principais sinais e como tratar os sintomas da doença
Diagnóstico precoce é essencial para retardar a fase crônica do Alzheimer

image Consumir pipoca de micro-ondas demais pode causar Alzheimer, diz estudo
A conclusão é de uma pesquisa conduzida por pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC), da Universidade de São Paulo (USP)

“Estudos analisaram essa associação em populações mais velhas. A nova contribuição aqui é que, mesmo em idades mais jovens, se você tem uma dieta que inclui alguns ácidos graxos ômega-3, já está protegendo seu cérebro para a maioria dos indicadores de doenças cerebrais. envelhecimento que vemos na meia-idade", afirmou Claudia Satizabal, principal autora do estudo.

Por fim, o estudo constatou que índices mais altos de ômega-3 são capazes de reduzir drasticamente as doenças nos pequenos vasos e diminuir os riscos de ter doenças cardiovasculares ou demência vascular. Novos estudos serão feitos para compreender melhor como os ácidos protegem o cérebro. "É complexo. Ainda não entendemos tudo, mas mostramos que, de alguma forma, se você aumentar um pouco o consumo de ômega-3, estará protegendo seu cérebro", disse Satizabal.

(Estagiária Karoline Caldeira, sob supervisão do editor executivo de OLiberal.com, Carlos Fellip)

Saúde
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!