Sistema de segurança impediu que gabinete de Lula fosse invadido, diz Pimenta

Outros locais, como o gabinete da ministra e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber, foram completamente destruídos

O Liberal

Os apoiadores radicais do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) que invadiram e vandalizaram o Palácio do Planalto neste domingo (8), além de outros prédios oficiais, não conseguiram entrar no gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Segundo o ministro da Secom, Paulo Pimenta (PT), o gabinete conta com vidros blindados e um sistema de segurança próprio que impediu o vandalismo. As informações são da CNN.

Outros locais, como o gabinete da ministra e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber, foram completamente destruídos. Ela despachará de sua sala no anexo do STF, que foi preservado. Já as áreas do térreo do Planalto, como a galeria de presidentes da República, e outras áreas do segundo e terceiro andar foram danificadas. As áreas do quarto andar, onde ficam as salas dos ministros da Casa Civil e da Secretaria-Geral da Presidência, foram menos danificadas.

"Quem entrou no Planalto conhecia o Planalto", acrescentou ao comentar sobre as armas que foram roubadas do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Pimenta ainda falou que foi identificada a presença de material orgânico - como fezes e urina - em áreas do Paláco, o que vai colaborar nas investigações para identificação dos criminosos.

Na avaliação do ministro, os ataques em Brasília foram piores que a invasão do Capitólio, nos Estados Unidos, em 6 de janeiro de 2021. "Assistimos à invasão das sedes dos Três Poderes. Seria como a invasão da Casa Branca", disse.

Política
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA