Justiça Federal entra em recesso a partir desta terça-feira (20)

Estará em funcionamento apenas o plantão judicial e serviços essenciais

Luciana Carvalho
fonte

A partir desta terça-feira (20), a Justiça Federal em todo o Pará, incluindo a sede da Seção Judiciária, em Belém, e as Subseções que funcionam em oito municípios do interior do Pará terão o experiente suspenso nas áreas judiciais e administrativa. A data marca o início o recesso forense, que vai até 6 de janeiro de 2023. Mas as atividades serão retomadas somente na segunda-feira seguinte, 9 de janeiro.

De acordo com a Portaria Diref nº 488/2022, de 13 de dezembro, o expediente da Seção Judiciária, no plantão judicial ,será em turno único, das 9h às 15h, período no qual a unidade plantonista deverá manter os servidores que lhe forem subordinados para atender advogados e partes, assim como encaminhar aos magistrados plantonistas questões urgentes e com risco de perecimento de direito. Na área administrativa, o horário de atendimento será das 13h às 19h, coincidente com o que será observado pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

VEJA MAIS

image Justiça Federal ordena Incra a criar assentamentos em áreas de conflito em Anapu, no Pará 
As duas sentenças judiciais atendem pedidos do Ministério Público Federal (MPF)

image MPF pede suspensão urgente de concessão florestal em área de isolamento indígena no sudoeste do Pará
De acordo com o Ministério Público Federal, os povos indígenas que vivem na região sofreram massacres e violências

image Justiça Federal no Pará amplia permissão para jornada em modalidade remota
Medidas constam da resolução que institui o Modelo de Gestão Integrada do Trabalho (presencial e remoto)

Durante o período em que a Justiça Federal estiver em recesso, os juízes plantonistas, conforme a portaria, apreciarão apenas pedidos de habeas corpus e mandados de segurança em que figurar como coatora autoridade submetida à competência jurisdicional do magistrado plantonista. Também poderão analisar comunicações de prisão em flagrante.

A mesma portaria prevê ainda que o magistrado de plantão também poderá atender, em caso de justificada urgência, representações da autoridade policial ou do Ministério Público visando à decretação de prisão preventiva ou temporária; pedidos de busca e apreensão de pessoas, bens ou valores, desde que objetivamente comprovada a urgência; medida cautelar, de natureza cível ou criminal, e medidas urgentes, cíveis ou criminais, da competência dos Juizados Especiais.

(Luciana Carvalho, estagiária da Redação sob supervisão de Keila Ferreira, Coordenadora do Núcleo de Política).

 

Política
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA