Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Felipe D’Avila afirma que é preciso superar 'ambientalismo barato, de esquerda'

Candidato do novo afirma que 'é absurda essa exploração política de manter a região subdesenvolvida'

Daleth Oliveira

Em entrevista ao Grupo Liberal pelo programa "Propostas para a Amazônia" nesta segunda-feira (5), o candidato à presidência da República Luiz Felipe D'Avila (Partido Novo) criticou os impasses ambientais para a construção do Ferrogrão, projeto da ferrovia que ligará os estados Mato Grosso e Pará facilitando o escoamento do agronegócio. Ele foi o primeiro entrevistado pela iniciativa que tem parceria com mais oito veículos, um de cada Estado da Amazônia Legal.

Veja mais

Amazônia é porta do narcotráfico, mas é preciso combater toda a cadeia, diz Felipe D'Ávila
Candidato à presidência da República participa de sabatina que avaliará até dia 14 as propostas de presidenciáveis para a Amazônia

Entrevista Felipe D'Ávila: o Liberal 'sabatina' o candidato do 'Novo' sobre a Amazônia
Candidato respondeu questionamentos dos jornalistas de oito veículos dos estados que formam a Amazônia Legal

'Riqueza está sendo extraída por criminosos', diz Felipe D'Ávila sobre Amazônia
Para ele, é preciso foco nas atividades econômicas que têm vocação na exploração da floresta de forma sustentável

“É absurda essa exploração política de manter a região subdesenvolvida por, o que eu chamo de ambientalismo barato, um ambientalismo de esquerda, que acha que qualquer coisa que se fizer significa devastar o meio ambiente. Precisamos conciliar sustentabilidade e preservação com o mercado, afinal, é o mercado que vai resolver a questão do meio ambiente no Brasil. Nós não podemos deixar de gerar riqueza para uma região por questões políticas ideológicas completamente ultrapassadas”, criticou o candidato.

Construção suspensa

Ano passado, a construção do trecho de 933 quilômetros da Ferrogrão foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O projeto continua em estudos de viabilidade e as minutas de edital e contrato estão em avaliação no Tribunal de Contas da União (TCU). Na decisão, o ministro Alexandre de Moraes suspendeu a Lei 13.452/2017 que alterava os limites de cerca de 862 hectares do Parque Nacional do Jamanxim, no Pará, para a construção da ferrovia. Com isso, as obras ficam paralisadas.

O parque em questão fica localizado nos municípios de Itaituba e Trairão, ambos paraenses. Alexandre considerou que trata-se de um patrimônio cultural imaterial e a alteração de seus limites para a passagem da ferrovia não poderia ter sido feita por Medida Provisória. A ação judicial foi movida pelo PSOL alegando que para alterar ou suprimir área das unidades de conservação, é preciso promulgação de lei em sentido formal e que, portanto, a MP violaria a constituição e afetaria os indígenas da região, contra a regra do artigo 231.

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA