Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Discussão sobre flexibilização do uso de agrotóxicos no Brasil deve avançar no 2º semestre

Pauta movida pelo agronegócio tem endosso do Governo Federal, mas oposição se preocupa com riscos para a saúde e meio ambiente

Eduardo Laviano

Discutida há quase 23 anos no Congresso Nacional, a política de flexibilização do uso de agrotóxicos e defensivos agrícolas no Brasil, hoje encampada no projeto de lei 1.459/2022, tem avançado na pauta de deputados e senadores da atual legislatura.

O principal conflito é a relação entre o crescimento da produtividade que os produtos proporcionam ao agronegócio brasileiro, na medida em que mais e mais estudos atestam malefícios para a saúde dos consumidores e do meio ambiente. 

Boa parte do problema da oposição com o projeto de ampliação é a decisão de que as autorizações se concentrariam no Ministério da Agricultura, sem ingerência da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.

"PL do veneno"

Na opinião do senador Paulo Rocha (PT-PA), a proposta se encaixa bem na política atual do Governo Federal, inclinado a beneficiar o agronegócio brasileiro. Ele se preocupa, porém, com o uso indiscriminado desses produtos. 

"Essa política aí dos agrotóxicos e de quebra da questão ambiental e de redução das terras indígenas estão todas no mesmo pacote. Tudo isso faz parte do fortalecimento do agronegócio e aumento da produtividade da indústria de grãos no Brasil e no mundo. Como o Brasil é um grande produtor de grãos, eles acabam se fortalecendo no mercado internacional, tendo mais poder de decisão e influência. Acontece que esse pessoal não tem freio e não se preocupa com questão ambiental, com temperatura, clima, com a saúde pública. Os interesses do lucro e do grande capital tem essa volúpia que é apoiada pelo Presidente da República. Eles tem essa força de mudar o arcabouço legal do país. Temos resistido contra", avalia ele, ao frisar que a o chamado "PL do veneno" é uma afronta e que deve gerar consequências graves para a saúde pública no longo prazo. Ele está ciente, porém, que o governo tem maioria no Congresso, e, portanto, os recursos que sobram para a oposição é pedir audiências públicas para aprofundar as discussões.

Na última audiência pública sobre o tema, o diretor técnico adjunto da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, Reginaldo Minaré, afirmou que a lei não vai promover o uso desenfreado de qualquer produto e que todos os testes e restrições sanitárias seguirão sendo aplicados para garantir a segurança dos consumidores.

"Todas as instituições que cuidam de saúde e meio ambiente que, por ventura, recomendarem alguma restrição ou apontaram perigo sobre o uso de um determinado produto, o órgão brasileiro vai ter que fazer uma reavaliação. O projeto não retira nenhum poder do Ministério Público nessa área e proíbe e desencoraja o uso de pesticidas, tendo previstas reparações civis, infrações administrativas e crimes", afirma.

No momento, o presidente da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do senado, Acir Gurgacz (PDT-RO), está reavaliando o relatório final, que já havia sido publicado, mas agora será reanalisado.

Produtividade e competividade

Segundo Guilherme Minssen, diretor técnico da Federação de Agricultura e Pecuária do Pará, é importante lembrar que o projeto não quer ampliar o uso de agrotóxicos, mas sim dos defensivos agrícolas.

Ele lembra que são graças a estes produtos que a produtividade do agronegócio brasileiro ganhou competitividade nos últimos anos, além de livrar as lavouras de pragas invasoras que causam prejuízos e diminuição na produção.

"A maior vantagem que teríamos, no momento, seria ter mais defensivos agrícolas livres para serem provados, testados tecnicamente. É provado que nós temos, hoje, defensivos agrícolas que produzem mais, em menos tempo e em menor área, com muito mais qualidade e segurança. Os que não são seguros não podem ser utilizados e nem devem ser aprovados. No cenário internacional, o Brasil é um dos que menos usam defensivos na comparação com China, Estados Unidos e Índia, por exemplo", diz. 

A busca pelo equilíbrio

Maura Brochado acredita que é preciso buscar um equilíbrio. Ela é engenheira agrônoma formada pela Universidade Federal Rural do Pará e doutoranda em fitotecnia. Segundo a especialista, que trabalha com manejo integrado de plantas daninhas, os produtos químicos são, de fato, mais eficazes para o controle rápido e ágil das pragas que invadem as plantações. Mas a controvérsia relacionada aos malefícios do uso desses defensivos tem razões de sobra para existir, na visão de Brochado.

"Essa ampliação pode ser muito perigosa em relação a quanto que é usado no campo, principalmente com doses excessivas que não estão na bula, inclusive. Às vezes é utilizado pelo próprio produtor que não tem informações profundas ou recomendações de engenheiros agrônomos. Eu percebo que falta ainda muita informação e maneiras de simplificar essa informação na ponta. Trabalho diretamente no âmbito acadêmico e nem sempre nossa produção chega de maneira simples para que o produtor rural possa aplicar. A gente precisa de mais assistência técnica, com suporte ao produtor", alerta.

Ela lembra que atualmente o Brasil possui um programa de resíduos que acompanha e redige relatórios sobre o nível desses produtos em diversos alimentos, com o objetivo de catalogar as quantidades de defensivos agrícolas.

"Se estiver acima da quantidade, chega lá fora para exportação e esse produto volta. No mercado internacional, muitos estão avançando em relação a liberação de novos produtos, mas  ao mesmo tempo retirando produtos antigos do catálogo de uso, que é o que deveria ser pensado aqui também. O problema é que aqui no Brasil o processo é muito demorado e custoso. Tanto para liberar um produto novo quanto para retirar um antigo do mercado. Mas eu até entendo, porque isso demanda estudos", diz. 

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA