Conduta de Silvinei Vasques, diretor-geral da PRF, será investigada pela Polícia Federal

Inquérito também deve investigar os bloqueios de fiscalizações instaurados pela PRF no 2° turno das eleições

Emilly Melo

A Polícia Federal (PF) instaurou um inquérito, a pedido do Ministério Público Federal (MPF), para investigar a conduta do diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Silvinei Vasques, diante dos bloqueios de rodovias por manifestantes insatisfeitos com o resultado das eleições presidenciais deste ano. Com informações da Agência Brasil.

VEJA MAIS

[[(standard.Article) Eleições 2022: Moraes intima Diretor-Geral da PRF]]

Eleições 2022: Moraes veta qualquer ação da PF e PRF sobre transporte gratuito no 2º turno
A decisão foi decretada após denúncia, no último sábado (29)

A demora com que a PRF conteve os bloqueios nas vias e a divulgação de vários vídeos em que agentes da instituição aparecem orientando os manifestantes a agir de forma a não serem alvos da ação policial, favorecem a suspeita de prevaricação de Vasques.

Segundo o Código Penal, o crime de prevaricação é caracterizado quando o funcionário público retarda, indevidamente, a execução de uma lei ou determinação judicial, ou a descumpre, para satisfazer interesses pessoais ou a própria vontade. A pena de detenção prevista é de 3 meses a 1 ano para casos confirmados, além de multa.

A PF também vai apurar a legalidade da conduta da PRF ao instaurar bloqueios de fiscalização de eventuais irregularidades de veículos durante o segundo turno das eleições. A ação teria impedido vários eleitores de chegar aos seus locais de votação. 

PRF afirma que não há mais rodovias federais interditadas no Pará
Em todo o País, há seis ocorrências em rodovias federais sendo monitoradas

Confronto em Novo Progresso: manifestantes contestam versão da PRF e dizem que apenas revidaram
Um homem, que diz ter sido uma das pessoas a tentar negociar a liberação da via de forma pacífica, afirma que os participantes do ato agiram em "legítima defesa"

PRF diz ter sido alvo de pedradas, rojões e até tiros, em Novo Progresso, no Pará
De acordo com a PRF, um policial e uma criança ficaram feridos no episódio desta segunda-feira (7)

Se comprovado que os bloqueios de veículos realizados pela PRF, à revelia do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por decisão de Vasques, prejudicaram injustificadamente o direito ao voto dos cidadãos parados nas barreiras policiais, Silvinei também poderá responder pela prática criminosa de violência política.

Ao ser procurada pela Agência Brasil, a diretoria da PRF não havia se manifestado sobre a instauração. No entanto, no início da semana passada, a diretoria negou ter se omitido e permitido que os manifestantes inconformados com a derrota do candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) interrompessem parcialmente ou bloqueassem por completo o tráfego de veículos nas rodovias do país. 

 Na ocasião, diretores da PRF - à exceção de Vasques, que não participou da coletiva de imprensa - afirmaram que foram “surpreendidos” pela velocidade com que os protestos se espalharam. Segundo eles, a primeira interdição foi registrada em Mato Grosso do Sul, por volta das 21h15 do domingo (30) – cerca de 1 hora e meia após o TSE ter anunciado que o candidato à Presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estava matematicamente eleito. Passadas apenas 4 horas, a PRF já registrava 134 interdições, bloqueios e pontos de concentração de manifestantes em diferentes rodovias.

PRF identificou 316 infrações durante manifestações em rodovias federais no Pará
Multas podem variar de R$ 5,8 mil a R$ 17,6 mil

PRF: Multas já chegam a R$ 18 milhões para manifestantes que bloqueiam estradas
Ministro da Justiça pediu a manifestantes que liberem as estradas

Pará e Santa Catarina são os estados com mais interdições nas estradas, diz PRF
Em todo o País, há 267 pontos de interdição ativos no final da manhã desta terça-feira (1), segundo

Já no dia seguinte à eleição, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou que a PRF e as polícias militares dos estados agissem para desbloquear as rodovias, garantindo o livre trânsito de veículos. Para o ministro, as paralisações contra o resultado eleitoral “desvirtuam o direito constitucional de reunião”.

(*Emilly Melo, estagiária, sob supervisão de Hamilton Braga, coordenador do Núcleo de Política)

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA