Incêndio destrói cinco casas no bairro de Fátima, em Belém

Ocorrência foi registrada na madrugada desta sexta-feira (10)

Byanka Arruda

Cinco residências de madeira foram destruídas em um incêndio de grandes proporções registrado na madrugada desta sexta-feira (10), no bairro de Fátima, em Belém. De acordo com as vítimas, era por volta de 3h30 quando as chamas começaram a se alastrar rapidamente pela vila de casas de madeira, situada na rua Diogo Móia, entre as travessas 14 de Abril e 3 de Maio.

Durante a madrugada, os moradores da localidade acordaram assustados ouvindo estalidos das estruturas de madeira e objetos domésticos sendo consumidos pelo fogo. Segundo eles, as chamas se propagaram depressa e em poucos minutos já tinham atingido, de maneira irreversível, cinco casas. Não deu tempo de salvar nada. Documentos, móveis, eletrodomésticos, roupas, calçados, brinquedos e até animais de estimação, como peixes, foram devorados pelo fogo. Para as vítimas do incêndio, que construíram as moradias humildes com muito sacrifício, muito mais do que perdas materiais, o fogo destroçou sonhos, memórias familiares, histórias de vida erguidas em décadas no local.

A vendedora Edna Silva, de 50 anos, foi uma das moradoras mais afetadas pelo incêndio. Da casa dela, só restaram as cinzas e algumas vigas de madeira parcialmente corroídas pelo fogo. No momento da ocorrência, ela estava dormindo com os três netos de 12, 10 e 6 anos, na residência que construiu ao longo de duas décadas. "Eu me acordei com os estalos. Quando eu fui verificar, as casas dos vizinhos estavam pegando fogo, a minha ainda não estava. Eu acordei meus netos e saí da casa. Mas quando eu virei para olhar, já estava pegando fogo na minha casa também. Não deu tempo de fazer nada mais, pegar nada, foi muito rápido. Ninguém nem conseguiu jogar água, não deu para fazer nada. O fogo estava muito alto e todo mundo estava tentando salvar alguma coisa de suas casas. Eu estava sozinha com meus netos, meu marido tinha acabado de sair para o trabalho. Eu não pude salvar nada, nem objetos, documentos, perdi tudo. Eu morava aqui há 20 anos e vi tudo que eu lutei para conseguir ser perdido em minutos...", relembrou, comovida. "Eu agradeço a Deus que estamos com vida. Foi um livramento para mim, para a minha família e para as outras também, agora é contar com ajuda e solidariedade dos amigos".

"Eu ouvi que estava estalando alguma coisa, senti cheiro de fio queimado. Eu fui procurar dentro de casa e não tinha nada de errado. Aí eu coloquei o celular para carregar, liguei a televisão e ouvi que alguma coisa continuava estalando. Foi quando eu fui olhar lá em cima e abri a janela que dava para ver as outras casas, foi quando eu vi que o fogo já estava em cima de casa. Só deu tempo de sair com meu filho, não salvei nada de meu", contou, com os olhos marejados, a moradora Dilsilene Freitas, de 50 anos, que morava no local há mais de 40. 

O incêndio só foi controlado no começo da manhã. Não houve vítimas, mas as perdas materiais foram grandes. Nesta manhã, equipes do Corpo de Bombeiros Militar do Pará (CBMP) foram até o local do incêndio fazer o rescaldo e resfriamento das residências atingidas. As causas da ocorrência ainda estão sendo investigadas pelos bombeiros.  

Prefeitura diz que dará apoio às famíias

Ao final desta manhã a Prefeitura de Belém confirmou que a Funpapa e a Defesa Civil Municipal iniciaram a ação para prestar auxílio às famílias vitimadas pelo fogo. Uma equipe da Defesa Civil fez o levantamento de dados das casas atingidas e das pessoas que ficaram sem moradia para encaminhar aos órgãos responsáveis por garantir que as vítimas recebam assistência social após a tragédia. A Fundação Papa João XXIII (Funpapa) também foi acionada para auxiliar no amparo aos moradores afetados pelo incêndio.

"A Defesa Civil vai verificar primeiro quantas famílias moravam em cada residência e quantas pessoas foram atingidas, de fato. Já acionamos a Funpapa, para direcionar todas as famílias para qualquer tipo de serviço que seja necessário fazer, que cabe ao município, como a questão da documentação, se foi perdida, o que queimou durante o incêndio, ver se eles têm algum lugar para ir, um abrigo, casa de parentes, alojamento. Caso não haja, a Funpapa vai encaminhar para os programas sociais para que as vítimas não fiquem desalojadas", explicou o coordenador operacional da Defesa Civil de Belém, Claudionor Correa. 

A Defesa Civil Municipal atuou no levantamento dos estragos, cadastramento e atendimento das famílias atingidas no local do incidente. “Identificamos cinco residências com perda total. Cerca de sete famílias foram atingidas, todas foram identificadas para produzirmos o laudo técnico, que garantem a elas recorrer aos auxílios”, detalhou Claudionor Correia.

A equipe do Serviço de Proteção de Calamidade Pública e Emergências (Sicape) da Funpapa, que promove apoio e proteção à população de extrema vulnerabilidade atingida por situações de calamidade pública e emergencial, também está auxiliando as famílias vítimas do acidente, com atendimento individualizado. Serão realizados também os encaminhamentos necessários para emissão de documentos dos membros das famílias atingidas, cadastro nos programas sociais o que mais for demandando, disse a Prefeitura de Belém.

Local para doações para as famílias:

- Creche Irmã Dulce (Tv. Castelo Branco com rua Antônio Barreto, perto da escola de samba da Matinha).

 

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM POLÍCIA