Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Santarém atende mais de 1,8 mil pessoas em situação de rua em oito anos

O espaço desenvolve ações voltadas para o acolhimento dessa população que é altamente vulnerável

Andria Almeida

Um levantamento do centro especializado em atendimento à população de rua, Centro Pop Don Lino Vombommel, no município de Santarém, apontou que em pouco mais de nos 8 anos, no período de janeiro de 2014 a maio de 2022, houve um total de 1. 881 atendimentos. Dessa quantidade, cerca de 90% não são nascidos em Santarém e, atualmente, a maioria são de origem venezuelana. O espaço oferece refeições de café da manhã e almoço, além de quartos para descanso, biblioteca, banheiros para higiene pessoal e lugar para lavagem de roupa. Todos os usuários são acompanhados por uma equipe psicossocial.

Um usuário do espaço, que pediu para não ser identificado, é venezuelano e veio para o Brasil no ano de 2019. Ele conta que tem dois filhos e que tenta a sorte no Brasil, diante da situação econômica de seu país. Mas a tentativa até o momento não deu certo, pois precisou virar morador de rua. “Na situação que está meu país não dá para trabalhar e nem para viver, tudo muito caro. Não tinha sentido continuar lá, não tinha como comprar um pão, manter à família”, contou. 

Ele relata que tem formação técnica em construção e perfuração de poços petrolíferos, mas chegou a trabalhar em outras áreas no Brasil. Há dois meses morando nas ruas de Santarém, o usuário relata já ter passado por outros estados brasileiros. Apesar das dificuldades da vida na rua, o homem não pretende voltar para a Venezuela. “Pensei que vindo para cá e trabalhando, poderia ajudar minha família. Não tenho como voltar para lá [Venezuela], minha família falou que a situação lá está pior”, enfatizou. 

Belém possui cerca de duas mil pessoas em situação de rua
Em entrevista concedida ao jornal O Liberal, o presidente da Funpapa, Alfredo Costa, fala sobre a estrutura atual de atendimento, dados e mapeamento, desafios e estratégias da Secretaria de Assistência Social para o futuro

Homem em situação de rua teve o corpo queimado na madrugada de sexta-feira (29)
O suspeito já foi identificado e sua localização é investigada pela A Polícia Civil

O homem dorme na rua e conta que as únicas refeições que faz são no espaço. Ele revela que a família não sabe que ele está morando na rua. “Não sabem da minha situação e nem vou contar. Vou continuar procurando emprego. Não sou de pedir dinheiro, não faço isso, só quero um trabalho”, disse.

Outra pessoa atendida no Centro Pop é uma jovem também venezuelana que fugiu da cidade de origem por falta de oportunidade de trabalho. Ela afirma que apostou em um sonho juntamente com duas amigas de comprar confecções em Manaus e vender em Santarém. Porém o sonho acabou virando um pesadelo. “As minhas amigas roubaram a mercadoria e o dinheiro do hotel. Ela só me deixou com as minhas roupas. Estou a duas semanas morando na rua. Mas apesar disso eu não pretendo voltar para Venezuela”, afirma.

Usuária do centro Pop na biblioteca do espaço (Andria Almeida)

As únicas refeições que ela faz são disponibilizadas pelo Centro Pop, e na hora da dormida ela relata que tenta escolher locais que pareçam seguros, como a frente da prefeitura e outros órgãos. “Meu sonho é conseguir um trabalho e sair da rua, mas quero continuar no Brasil”, relatou a jovem com lágrimas nos olhos.

Mulher se casa e tem dois filhos com morador de rua: 'Paixão à primeira vista'
Ela conta que chegou a oferecer dinheiro para ajudar o rapaz, mas ele recusou a oferta

Sem-teto que fez sexo com mulher de personal é retirado de cidade por segurança
Homem que foi agredido por marido é ameaçado por supostos policiais conhecidos do agressor em abrigo de Planaltina, no Distrito Federal

Dados sobre acolhimento

O último levantamento do centro, realizado ano de 2021, apontou que das pessoas que foram acolhidas no local, 124 voltaram a estudar, 274 foram inseridas no mercado de trabalho e 173 saíram da situação de rua. Outras 379 passaram a ter acesso a saúde com emissão do Cartão SUS, 5302 atendimentos de saúde foram realizados, 219 foram inscritas no CADúnico, 21 no Benefício de Prestação Continuada, 12 no Minha Casa, Minha Vida e 173 pessoas não estão mais em situação de rua e retornaram à família.

Alcivane Caldeira, que é coordenadora do espaço, afirma que o local recebe uma média de 16 pessoas por dia. “Temos uma demanda muito maior de atendimentos, mas cadastrados são 1881 pessoas. Hoje, 90% das pessoas acolhidas não são de Santarém. Tivemos um aumento significativo na procura pelo centro nos últimos dois anos”, enfatizou.

Sociólogo analisa a questão dos moradores de rua

O sociólogo, Raimundo Valdomiro, que atua como professor da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), destaca que a situação da população de rua na maioria das vezes é analisada de forma superficial. Para o especialista as questões que levam as pessoas para a vida na rua vão além do alcoolismo, violência doméstica, ou da pobreza “De fato muitos grupos enfrentam essas questões. Mas quando a gente analisa essa questão do ponto de vista macroeconômico, nós podemos observar que existem outras causas que são mais profundas do que essas que aparentam ser as causas principais”, relatou.

Ele explica que entre as causas do ponto de vista macroeconômico, estão os processos de condições de trabalho e sobrevivência precárias que a sociedade brasileira e internacional tem passado.

“É importante a gente considerar que esse processo crescente de precarização das relações de trabalho, implica diretamente nas condições de trabalho e de vida dessas populações”, enfatizou.

Perfil da população de rua

O sociólogo explica que a partir do ano de 2019 houve o surgimento de um novo perfil dessa população de rua.“Diferente da população de rua do século xx que eram formadas majoritariamente por homens, praticamente 80%. Agora, nós temos a presença de muitas mulheres e crianças nas ruas”, relatou.

 Ele enfatiza que os  elementos responsáveis pelo aumento desse público nas ruas é a  crise social e sanitária, que o mundo enfrentou a partir do ano de 2019, associada à crise econômica.

Para amenizar o cenário, o especialista diz que é preciso fortalecer a rede de proteção social criando políticas sociais. “Para resolver a questão é fundamental que nós tenhamos políticas de estado que estejam voltadas para a construção de moradias, investimento em saúde, saneamento, atendimento das necessidades das maiorias das populações brasileiras”, finalizou o especialista.

Sobre a Unidade

Centro POP é uma unidade pública e estatal que está inserida no âmbito da Proteção Social Especial de Média Complexidade do Sistema Único de Assistência Social (Suas) e é administrada pela Prefeitura de Santarém, por meio da Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social (Semtras).

O centro Pop funciona de segunda a sexta-feira no horário das 8h às 14h.

Serviço

Centro POP Dom Lino Vombommel
Funcionamento: segunda a sexta-feira, no horário de 8h às 14h 
Endereço: Tv. Moraes Sarmento, 816
Telefone: (93) 99104-5906

 

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ