Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Guamá confirma interesse em abrir aterro sanitário em Bujaru

Na última sexta-feira (5), moradores de Bujaru e Acará fizeram um ato contra a possível instalação do empreendimento que poderia estar em território de comunidades quilombolas e receberia resíduos da Grande Belém

O Liberal

A Guamá Tratamento de Resíduos confirmou que tem interesse na abertura de um aterro sanitário no município de Bujaru, nordeste do Pará. A intenção foi confirmada por uma nota, enviada dias após um ato de moradores da cidade e também do município do Acará na última sexta-feira (5). Os manifestantes se posicionaram contra a instalação do empreendimento, que poderia afetar cerca de 17 comunidades quilombolas. O novo espaço seria destinado a receber resíduos das duas cidades e da Região Metropolitana de Belém (RMB).

Na nota, a Guamá explicou que já está fazendo os procedimentos necessários para pleitear a instalação do empreendimento. Entre eles, montar os estudos de impacto ambiental e relatório de impacto ambiental (EIA/Rima). Esses documentos devem ser apresentados à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). A proposta da empresa é apresentar os dados e estudos em audiências públicas, ainda neste ano.

"O complexo industrial, com investimento total de R$ 50 milhões, será composto de usina de triagem de resíduos recicláveis, pátio de compostagem, usina termoelétrica e Centro de Educação Ambiental, além do próprio aterro. O objetivo da empresa é apresentar uma solução para atendimento dos serviços de destinação final de resíduos dos municípios de Bujaru, Acará e da Região Metropolitana de Belém (RMB), possibilitando o fechamento dos lixões existentes na região. O atual aterro no município de Marituba tem previsão de encerrar suas atividades em agosto de 2023", diz a nota.

VEJA MAIS

Ato de comunidades de Bujaru e Acará interdita a Alça Viária contra aterro sanitário
Os manifestantes se posicionam contra uma suposta abertura de um aterro sanitário no município, em uma comunidade quilombola

Ato contra aterro em Bujaru provoca fila imensa de veículos; vídeo
O congestionamento ocorreu por conta do ato realizado por comunidades quilombolas e de demais moradores dos municípios de Bujaru e Acará contra a possível abertura de um aterro sanitário

Getúlio Jales, um dos coordenadores do ato público ocorrido na sexta-feira, afirmou que ao menos 17 comunidades tradicionais devem ser afetadas com a construção do aterro. ”Querem colocar esse aterro na área Guará, onde tem oito nascentes de rios e pelo menos cinco delas serão atingidas por escavações ou estarem próximas da obra", disse. Ele destacou que essas comunidades consomem água de poços e sobrevivem do extrativismo, como a pesca e cultivo de castanha e açaí.

No dia do ato, em 5 de agosto, o primeiro posicionamento da Guamá foi de apoio às comunidades que estavam na manifestação, pois a empresa comunicou ser contra lixões e favorável a soluções que atendam às determinações da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

"Diferente de lixões, o Aterro Sanitário de Marituba, além de contribuir com o meio ambiente, apresentando solução para a destinação de resíduos, gera riquezas através do pagamento de impostos e taxas ao governo e de empregos para região metropolitana de Belém", disse a Guamá por nota. Diariamente, o aterro em Marituba recebe cerca de 1,3 toneladas de resíduos.

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ