Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Identidade cooperativista: conheça os sete princípios do cooperativismo

Entenda como essas premissas são fundamentais para os negócios

Marina Pereira

Quem se depara pela primeira vez com os conceitos cooperativistas pode até achar estar diante de algo novo, dado a atualidade de seus ideais. Mas a história do cooperativismo é antiga e remonta aos tempos da Revolução Industrial, quando 28 tecelões de Rochdale, na Inglaterra, fundaram a primeira cooperativa dos tempos modernos: a Sociedade dos Probos Pioneiros de Rochdale, essa cooperativa de consumo foi criada com base naqueles que se tornariam os sete princípios do cooperativismo.

Atualmente, as cooperativas estão presentes em 150 países. Elas empregam 280 milhões de pessoas em todo o mundo. Isso significa uma faixa de 10% da população do mercado formal.

De acordo com o gerente de desenvolvimento em cooperativas do Sistema OCB/ Pará, Diego Andrade, essas premissas são fundamentais para o bom desempenho dos negócios dos cooperados.

“Essas premissas são responsáveis pelo grau de importância e prestígio deste sistema capaz de promover o desenvolvimento econômico, social, político e cultural de maneira equitativa e democrática”, explicou.

VEJA MAIS 

Qualificação profissional se tornou grande estratégia para cooperativas
Cooperativas apostam em especializações para sair à frente dos concorrentes

Cooperativismo impulsiona desenvolvimento econômico e social no Pará
Empreendimentos cooperativos beneficiam a vida de mais de 1 milhão de paraenses

Conheça os 7 princípios:

1- Adesão livre voluntária

As cooperativas são organizações voluntárias, abertas a todas as pessoas interessadas em utilizar seus serviços e dispostas a aceitar as responsabilidades da sociedade, sem discriminação social, racial, política, religiosa e sexual (de gênero).

2- Gestão e controle democrático dos sócios

As cooperativas são organizações democráticas controladas por seus associados, que participam ativamente na fixação de suas políticas e nas tomadas de decisões. Homens e mulheres, quando assumem como representantes eleitos, respondem pela associação. 

3- Participação econômica do sócio

Os associados contribuem equitativamente e controlam democraticamente o capital de sua cooperativa. Ao menos parte desse capital é, geralmente, de propriedade comum da cooperativa.

Os sócios destinam as sobras para algumas das seguintes finalidades:

- Desenvolver sua cooperativa, possibilitando a formação de reservas, onde ao menos parte das quais sejam indivisíveis;

- Beneficiar os associados na proporção de suas transações com a cooperativa;

- Sustentar outras atividades aprovadas pela sociedade.

4- Autonomia e independência

As cooperativas são autônomas, organizações de autoajuda e controladas por seus membros. Nas relações com outras organizações, inclusive governos, ou quando obtêm capital de fontes externas, o fazem de modo que garantam o controle democrático pelos seus associados e mantenham a autonomia da cooperativa.

5- Educação, treinamento e informação

As cooperativas fornecem educação e treinamento aos seus sócios, aos representantes eleitos e aos administradores e empregados, para que eles possam contribuir efetivamente ao desenvolvimento de sua cooperativa. Eles informam ao público em geral, particularmente aos jovens e líderes de opinião, a natureza e os benefícios da cooperação.

6- Intercooperação

As cooperativas servem seus associados mais efetivamente e fortalecem o movimento cooperativista trabalhando juntas por meio de estruturas locais, regionais, nacionais e internacionais.

7- Interesse pela comunidade

As cooperativas trabalham para o desenvolvimento sustentável de suas comunidades por meio de políticas aprovadas por seus associados.

Programa de Identidade Cooperativista

Visando garantir o cumprimento legal da legislação cooperativista e os requisitos normativos, o Sistema OCB/ Pará desenvolveu o Programa de Identidade Cooperativista, possibilitando verificar o que o cooperado realiza de boas práticas e o que precisa ser aperfeiçoado. 

O presidente do Sistema OCB/ Pará, Ernandes Raiol da Silva, detalha sobre o Programa de Identidade Cooperativista. (Arquivo pessoal)

Para o presidente do Sistema OCB/ Pará, Ernandes Raiol da Silva, o Programa de Identidade agrega segurança não somente aos negócios dos cooperados, mas aos dirigentes e quem se relaciona com a cooperativa.

“O Programa de Identidade é o cartão de visita das ações desenvolvidas junto às cooperativas. É a primeira ação que fazemos, para que possamos ter o T0 (t zero), mensurar o grau de evolução e desenvolvimento da cooperativa e assim fazer o cooperativismo paraense cada vez mais forte, relevante e capaz transformar a vida dos cooperados e colaboradores das cooperativas, assim como da comunidade que está ao seu entorno”, ressaltou. 

Para entender mais, clique aqui. 

Ocb
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!