Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Após morte da mãe, ex-Flamengo Michael admite querer voltar ao Brasil: 'De que adianta o dinheiro?'

Atacante está no Al-Hilal, clube da Árabia Saudita

Andre Gomes

A aventura do atacante ex-Flamengo Michael no futebol árabe pode estar no fim. Em entrevista ao canal do Alê Oliveira no Youtube, o jogador admitiu que deseja retornar ao Brasil. Após a perda da mãe, o jogador apontou que a saudade do pais e dos irmãos pode fazê-lo voltar ao país natal. Segundo, Michael, quando decidir que é a hora de voltar, a prioridade será dada ao ex-clube:

"A verdade é uma só: quero voltar ao Brasil. Tem (dois clubes perto). Eu tenho uma promessa, se eu prometer, vou cumprir. Se eu prometo, eu cumpro. Aprendi com meu pai, você tem sua palavra. Se der, cumpra. Tenho uma promessa com o Marcos Braz, antes de eu sair (de dar prioridade ao Flamengo)", disse Michael.

VEJA MAIS

Partiu! Michael assina com o Al Hilal e não joga mais pelo Flamengo
Atacante de 25 anos deixa o Rubro-Negro após duas temporadas a serviço do clube

Michael é o quarto nome a 'subir de preço' em passagem recente pelo Flamengo
Negociado com o Al Hilal, da Arábia Saudita, Michael se junta à lista com Gerson, Pablo Marí e Gustavo Cuéllar, que, além do retorno técnico, fizeram o Flamengo ganhar dinheiro

Ainda na entrevista, Michael comentou sobre o drama em relação à morte da mãe, no início de junho. Fábia Leila tinha câncer e morreu após alguns dias internada. A última vez que o atacante viu a mãe com vida, foi quando viajou para a Árabia Saudita, após a negociação em que o Al-Hilal pagou 8,45 milhões de dólares para ele deixar o Flamengo.

"Perdi minha mãe tem um mês. Eu estou com muita saudade dos meus irmãos, do meu pai. Parece que a gente quer ficar mais próximo dele. Foi um baque, minha mãe ficou internada 12 dias. Ai nessa hora você pensa: de que adianta o dinheiro? Eu tinha dinheiro que podia, mas não consegui salvar minha mãe. E ai? Você vê que o dinheiro não é tudo. Eu levei minha mãe para o Rio, fiquei com ela dois dias antes de viajar. Ela estava boa, tomando a cervejinha dela, comendo a carninha dela. E quando eu volto é para velar minha mãe. Para mim é um baque. Não é o só o futebol em si, que lá não é tão legal. Tem a saudade da família", concluiu.

Futebol
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM FUTEBOL

MAIS LIDAS EM ESPORTES