Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Círio deve aquecer vendas de itens religiosos

Empresários estão há mais de cinco meses preparando o estoque de suas lojas para a retomada das procissões

Fabrício Queiroz

A aproximação do Círio de Nazaré já é percebida no dia a dia de Belém. Cartazes enfeitam as portas das residências, familiares e amigos se confraternizam durante as peregrinações que ocorrem de casa em casa e o comércio local já se prepara para o aumento das vendas, especialmente de artigos religiosos relacionados à festividade mariana.

A variedade de produtos é grande nas lojas especializadas do ramo. Além das tradicionais fitinhas ou dos objetos em cera, que marcam o pedido e a conquista de uma graça, imagens de Nossa Senhora de Nazaré, mantos, adereços, quadros, itens de decoração e outros objetos tem grande atrativo nessa época.

Para a empresária e artesã Nilza Silva, objetos religiosos são símbolos de fé (Fabrício Queiroz / O Liberal)

Às vesperas do Círio, a artesã e empresária Nilza Silva diz que já vem ampliando o estoque de suas duas lojas no bairro de Nazaré há cerca de cinco meses.“Nós trabalhamos as imagens, fazemos os mantos, fazemos tudo minuciosamente. Tem todo um trabalho que a gente vem realizando desde março pra chegar agora em agosto, setembro e no Círio com a loja pronta para atender o cliente”, afirma.

VEJA MAIS

Círio 2022: arcebispo metropolitano confirma romaria presencial; vídeo
O anúncio foi feito na noite desta quinta-feira (24) durante o lançamento do site e do aplicativo da festa religiosa

Círio 2022: Carro dos Anjos está com inscrições abertas
No cortejo do Círio de Nazaré são disponibilizados quatro Carros de Anjos e cada um acomoda cerca de 50 crianças, de 3 a 10 anos, totalizando 200 vagas

Círio 2022: confira a programação do Círio Musical deste ano
A programação retorna de forma presencial com shows na Concha Acústica, da Praça Santuário, durante a quadra nazarena, de 9 a 22 de outubro

De acordo com a empreendedora, a demanda por itens religiosos se manteve em alta nos últimos dois anos, apesar das restrições sanitárias pela pandemia, que levaram ao cancelamento das procissões da quadra nazarena. “A nossa expectativa é que seja melhor ainda com o presencial. Vem muita gente de fora para agradecer as graças alcançadas. O período da pandemia realmente foi muito conturbado, mas a esperança é grande. A gente espera alcançar uma alta de 25% a 30% nesse Círio”, diz Nilza.

Em uma fábrica de velas localizada no bairro da Cidade Velha, a previsão do proprietário é ainda mais otimista. “Acredito que a venda deve aumentar de 80% a 90%. Todos os anos, a gente produz entre 100 e 120 mil peças. Esse ano, provavelmente a gente vai chegar em torno de 200 mil peças”, relata Pedro Barbosa, que há 30 anos administra o negócio familiar que tem cerca de 120 anos de história.

O empresário Pedro Barbosa espera produzir 200 mil objetos de cera para atender a demanda dos promesseiros do Círio (Fabrício Queiroz / O Liberal)

O empresário explica que os preparativos também são feitos com antecedência no estabelecimento e esse ano vem impulsionados pela expectativa de retomada do Círio. “A produção já está feita, toda organizada pra gente não ter problema de tempo. Normalmente, a nossa programação vem desde o domingo de Páscoa porque não podemos deixar acumular os afazeres. Estamos fazendo uma quantidade bem expressiva de peças porque nesse ano de 2022 a gente espera que a demanda seja bem grande em comparação aos anos de 2020 e 2021, que as vendas foram quase irrisórias”, comenta.

A previsão dos empresários dialoga com a de muitos setores econômicos que veem no Círio de Nazaré uma oportunidade para fazer bons negócios. Só no ano de 2021, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese-PA), projetou que US$ 11,8 milhões foram injetados na economia paraense, oriundos de gastos tanto da população local quanto dos turistas brasileiros e estrangeiros.

Para conquistar esse público, Nilza Silva diz que é importante apostar em elevar a qualidade dos produtos. “O nosso carro-chefe são as imagens porque elas são preparadas aqui mesmo. Nós mesmos pintamos, nós fazemos um barroco diferenciado, que resulta na perfeição das imagens, por isso elas tem que ser produzidas desde março”, conta a empresária.

A proposta de diferenciação está presente ainda em outros itens, como as camisas com estampas da Virgem, mas que não fazem referência à arte do cartaz oficial ou em souvenirs diversos, como imãs, chaveiros, canecas, canetas e botons, que costumam ser distribuidos como brindes nas peregrinações ou levados como presentes pelos turistas.

Por sua vez, Pedro Barbosa diz que os objetos de cera tem como principal público-alvo os promesseiros e pessoas idosas, por isso o foco é oferecer produtos com preços mais acessíveis. “A nossa principal matéria-prima é a parafina, que é um derivado do petróleo. Nós acompanhamos essa evolução de altas e baixas e todo mês tem uma variação de valores, mas a gente nunca repassa esses reajustes pro cliente. É sempre o mesmo preço de todos os anos, que vai de R$ 10 reais a R$ 30. São preços que todo mundo e todas as pessoas mais humildes podem pagar”, afirma.

Ainda segundo o empresário, as peças que representam a cabeça e casas estão sempre as mais procuradas. No contexto pós-pandêmico, ele conta que também aumentou a procura por pulmões e coração, no entanto, a fábrica está preparada para atender outras solicitações. “Atendemos também pedidos mais exóticos, algo diferente que não tem no portfólio. A gente nunca deixa ninguém pra trás. Damos sempre um jeito de materializar na cera o que a pessoa precisa para poder pagar sua promessa”, garante.

Embora este seja o período mais representativo para as vendas no segmento dos itens religiosos católicos, a procura por objetos sacros é constante, declara a empresária Nilza Silva. “Nós trabalhamos com Nossa Senhora de Nazaré o ano inteiro. Não tem um dia na loja que a gente não venda uma imagem de Nossa Senhora, não importa o tamanho. Tem peças de 5cm a até 1 metro”, afirma ela, que frisa a satisfação de poder trabalhar diretamente com a devoção de milhões de fiéis. “É muito gratificante porque as pessoas vem aqui demonstrar a sua fé. Isso é muito forte na questão de que elas vem e querem levar alguma coisa, que na verdade é um símbolo de fé”, destaca.

Empreenda +
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!