Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Bancos não confirmam oferta de consignado do benefício Auxílio Brasil

Liberação do crédito ainda depende de regulamentação por meio do Ministério da Cidadania; saiba mais

O Liberal

Ainda é dúvida a questão do benefício do Auxílio Brasil para as famílias brasileiras. Foi divulgado que as pessoas que recebem o benefício poderão fazer empréstimo consignado sobre o valor da ajuda, Porém, poucos bancos confirmaram a oferta do serviço. O que se acredita é que a Caixa Econômica Federal (que opera os pagamentos) e o Banco do Brasil ofereçam o crédito. Entre as instituições privadas, o Bradesco já avisou que não vai realizar a operação.

O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Júnior, afirmou que o banco entendeu que é melhor não operar o consignado para os beneficiários do Auxílio Brasil. Itaú e Santander também não demonstraram interesse na modalidade.

Um dos únicos que confirma que deve oferecer o produto é o Agi (antigo Agibank). "O Agi já oferece crédito consignado para beneficiários do INSS e agora passa a oferecer também para beneficiários do Auxílio Brasil. A sanção dessa medida representa a possibilidade de acesso ao crédito a milhões de brasileiros que precisam do recurso para realizar algum projeto específico ou até mesmo para as demandas básicas do dia a dia. Entendemos ser um importante mecanismo de inclusão financeira para esse público", disse, em posicionamento enviado ao Valor.

Pela nova lei, quem recebe o Auxílio Brasil vai poder pedir um empréstimo até 40% do valor do benefício. O prazo é limitado a 24 meses e não há limite para a taxa de juros cobrada. 

Palavras-chave

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA