Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

VERSOS DO FUTEBOL

Por Carlos Fellip | carlos.fellip@oliberal.com

O ritmo e as rimas do mundo poético que mora o futebol. Coluna assinada por Carlos Fellip, editor Executivo de O Liberal e jornalista formado há 10 anos, com experiência no jornalismo esportivo e de atualidades. Ganhou prêmio de Jornalismo do MPT e cobriu Seleção Brasileira em Belém.

Frango, o terror do goleiro

Carlos Fellip

Primeiro a entrar no campo
Primeiro homem a treinar
Primeiro alvo de cantos
Primeiro nome a narrar

Quem subestima seu esforço?
Quem teria tanta audácia?
Ninguém mensura seu consolo
Após uma defesaça

Mas convives com a natureza
De ser um homem e não um robô
Por conta disto tens fraqueza
Como a de ser passivo a gol

Faz parte da vida do goleiro
Sofrer gols, defender, se machucar
Difícil é ser chamado de frangueiro
Quando sua natureza o fez errar

Ser goleiro é vocação
Muito mais que uma vontade
Poucos têm teu galardão
Menos ainda tua capacidade

Uma das regras do goleiro
Vai além da bola e do campo
Hoje, chamado de frangueiro
Amanhã, é tratado como santo

Versos do Futebol
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM VERSOS DO FUTEBOL