Vizinho de suspeito de matar ator: 'Vi três pessoas mortas'

Um segundo vizinho afirmou que Paulo Cupertino tinha fama de ser violento

Redação integrada de O Liberal com informações de UOL

O vizinho do comerciante Paulo Cupertino, suspeito de matar o ator Rafael Miguel e os pais, em São Paulo, o aposentado José Marques, de 69 anos, afirma ter escutado disparos na tarde do domingo quando aconteceu o crime.

Morador da rua há 40 anos, a três casas do local do crime, ele estava com a família no dia da tragédia.

"Estávamos fazendo um churrasco quando ouvi um tiroteio. O pessoal pensou que era bombinha, mas eu falei: 'Corre pra dentro'. Parecia arma automática porque foram vários tiros seguidos. Tinha uma pessoa que gritava muito, acredito que fosse a namorada", disse ao UOL.

Leia também:
• Ator assassinado participou de 'Chiquititas', 'Pé na Jaca' e 'Cama de Gato'
• Fãs lamentam tragédia familiar que envolveu o ator Rafael Henrique Miguel
• Namorada de Rafael Miguel se declara após morte do ator: 'Minha vida'
• Famosos lamentam tragédia envolvendo Rafael Miguel

Ele conta que chegou a sair de casa para saber o que estava acontecendo e muitas pessoas, incluindo crianças, saíram correndo pela rua após os disparos. "Tinham crianças jogando bola, elas correram. Eu fui verificar o que tinha acontecido e vi três pessoas mortas", relatou.

Marques era conhecido do suspeito, Paulo Cupertino, a quem cumprimentava com frequência. O aposentado já esteve na casa de peças de Cupertino, que fica próxima ao local do crime.

"Era uma pessoa normal para mim, bem reservada. Não sabia que ele era violento", disse.

Um outro vizinho, que pediu para não ser identificado, disse que Cupertino "tinha fama de ser um cara violento".

Próximo ao endereço do crime existe uma escola, de onde as crianças que saíram, puderam notar os rastros de sangue deixados pela tragédia. "Muito sangue", exclamou uma delas.

Uma mulher, que pediu para não ter o nome divulgado, disse que conheceu Rafael e que chegou a dar aula de natação para ele. Ela soube do crime por um grupo de amigos no Facebook. "Era uma criança super dócil. É triste, mas não por ser um conhecido, mas por faltar amor", lamentou.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!