Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Menina de 11 anos vítima de estupro tem concordância dos pais para fazer aborto legal

Delegada afirma que suspeitos não fogem do perfil, são pessoas do convívio da criança

O Liberal

Menina de 11 anos, grávida pela segunda vez após estupro em Teresina (PI), poderá realizar um aborto após os pais da criança entrarem em um acordo e concordarem que a filha passe pelo procedimento. Enquanto isso, a vítima permanece em um abrigo especializado, junto com o bebê fruto do primeiro estupro. As informações são do G1 Piauí.

O pai da menina contou que a ex-mulher, que era contrária à interrupção da gravidez, resolveu aceitar o aborto.

VEJA MAIS

Juíza que impediu menina de realizar o aborto legal vai participar de audiência pública sobre o tema
Evento é organizado pelo Ministério da Saúde. Além de Joana Zimmer, foram convidadas a deputada Bia Kicis e uma conselheira de Donald Trump, Valerie Huber

Mãe da menina de 11 anos que teve aborto legal impedido diz: 'Todos os dias eu chorava'
Em entrevista concedida para o 'Fantástico' a mulher relata as dificuldades durante o processo e no acompanhamento da filha que estava sendo mantida em um abrigo

SUS: A cada semana, uma menina de até 14 anos faz aborto legal no país
Preconceito e falta de informação sobre o tema dificultam o acesso ao direito assegurado em lei

"Estamos aguardando o laudo médico e novos exames para fazer a interrupção da gravidez. Ela quer tirar a criança. Minha filha está bem, vem recebendo um bom tratamento no abrigo", contou o pai.

Uma junta médica da Maternidade Dona Evangelina Rosa vai analisar a possibilidade do aborto.

A Defensoria Pública informou que em caso de consentimento da família, a Instituição não tem que adotar nenhuma ação, pois se trata de algo de foro pessoal. "A Defensoria defende os direitos da menor, se ela e os responsáveis legais decidem pela interrupção é o que irá valer perante a lei", destacou em nota.

Polícia busca suspeitos

A Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) investiga dois suspeitos que podem estar envolvidos no estupro de vulnerável contra a menina.

A delegada Lucivânia Vidal, revelou que os homens pertencem ao núcleo familiar da vítima. “O perfil dos suspeitos não sai das nossas regras, são suspeitos que tinham contato com ela, faziam parte do cotidiano dela. E, nos depoimentos, a gente vê que não só essa criança estava vulnerável, sem falar que ela é a mais velha. Existem mais cinco crianças nesse mesmo ambiente", informou Lucivânia Vidal.

Para a delegada, houve negligência por parte da família ou dos órgãos que formam a rede de proteção da vítima após a primeira gravidez, como Conselho Tutelar, Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e Centro de Referência Especializada de Assistência Social (Creas).

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL