Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Refrigerante 'zero' pode prejudicar a capacidade do fígado de desintoxicar, diz pesquisa

Dois adoçantes utilizados na pesquisa podem inibir o trabalho das proteínas que ajudam a limpar as toxinas do corpo; entenda

Paula Figueiredo

Um estudo feito por pesquisadores do Medical College of Wisconsin, nos Estados Unidos, e apresentado esta semana na Reunião de Biologia Experimental de 2022, realizada na Filadélfia, apontou que refrigerantes nomeados de 'zero' e adoçantes artificiais podem prejudicar a capacidade do fígado de desintoxicar pois inibem as proteínas responsáveis por esse processo; entenda a pesquisa.

VEJA MAIS

Venda de refrigerantes em escolas pode ser proibida A proposta aprovada no Senado vai agora para votação na Câmara dos Deputados

Venda de refrigerantes em escolas pode ser proibida A proposta aprovada no Senado vai agora para votação na Câmara dos Deputados


Como foi feita a pesquisa?

A equipe testou o impacto de dois adoçantes artificiais: acessulfame de potássio ou acessulfame-K, e a sucralose. Nos resultados, ambos inibiram o trabalho das glicoproteínas (P-gp), que ajudam a limpar as toxinas do corpo e também a processar medicamentos. "Observamos que os adoçantes afetaram a atividade da P-gp nas células do fígado em concentrações esperadas pelo consumo de alimentos e bebidas comuns, muito abaixo dos limites máximos recomendados pela FDA, agência que regula medicamentos e alimentos nos EUA, disse Stephanie Olivier Van Stichelen, líder da equipe.

Mesmo com os resultados, os cientistas alertam que os dados ainda são preliminares e precisam de mais estudo para identificar o que, de fato, acontece com o corpo humano. Porém, ainda assim, alertam para o consumo demasiado desses produtos, uma vez que muitas pessoas tendem a substituir os alimentos por acreditarem que são mais saudáveis. 

Outros estudos e problemas relacionados

Outro estudo anterior já havia divulgado que o consumo de adoçantes estão ligados a mudanças no microbioma intestinal, o que pode levar o indivíduo a ter uma inflamação crônica e causar até mesmo infertilidade. Também existem estudos que apontam que o produto artificial pode causar alterações no funcionamento do cérebro

(Estagiária Paula Figueiredo, sob supervisão de Heloá Canali, coordenadora de OLiberal.com)

Saúde
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!