OMS atualiza recomendações para a vacina contra o HPV

Doença é uma das principais causas de morte de mulheres no mundo

O Liberal

Diante da queda do percentual de imunização em todo o mundo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) atualizou as recomendações para a vacina contra o papilomavírus humano (HPV), um dos principais fatores de risco para o câncer de colo de útero, doença que ainda vitima letalmente centenas de mulheres no mundo. Apesar de constituírem o público mais atingido, elas não são as únicas a serem infectadas, os homens também correm risco e, por esse motivo, a recomendação dos especialistas é que, além do uso do preservativo masculino e feminino, ambos não descuidem da vacinação. As informações são da Agência Brasil.

VEJA MAIS

image Mulheres do Norte correm mais risco de desenvolver câncer do colo do útero, revela estudo
Doença é frequente também em mulheres com baixa escolaridade

image Pará deve registrar 780 novos casos de câncer de colo de útero em 2022
Vacinação contra HPV previne contra o segundo câncer que mais atinge mulheres no Pará

image Ministério da Saúde anuncia ampliação de grupo prioritário para vacinação contra o HPV
Homens de 45 anos com imunossupressão poderão procurar por imunizante. Belém ainda não tem um plano de vacinação para alcançar a nova categoria

Segundo a consultora médica da Fundação do Câncer, Flávia Miranda Corrêa, são vários os motivos para a baixa adesão. "O foco foi colocado em evitar o vírus sexualmente transmissível, quando na realidade tem que ser deslocado para a prevenção do câncer. Outra dificuldade é fazer a vacinação nas escolas no país e a terceira questão é mais relacionada ao movimento antivacinação que não é exclusivo no Brasil", explica.

Desde 2014, quando foi inserida no calendário nacional, a vacina contra o HPV é oferecida de graça pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e indicada para meninas e meninos de 9 a 14 anos. Isso porque ela se mostra altamente eficaz nos adolescentes dessa faixa etária, que geralmente antecede o início da vida sexual, em que eles ainda não foram expostos aos tipos de HPV 6, 11, 16 e 18. Dessa forma, a vacina induz a produção de anticorpos em quantidade muitas vezes maior do que a encontrada em infecção naturalmente adquirida num prazo de dois anos.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que o Programa Nacional de Imunizações está aguardando a conclusão de outros estudos sobre a duração da imunidade com dose única e levará esse assunto para discussão já no primeiro semestre de 2023.

Saúde
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!