#if(!$m.request.preview.inPreviewMode)
CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X
#end

Covid-19: número de casos diminui 93% no Pará entre janeiro e fevereiro deste ano

Dados do boletim InfoGripe, da Fiocruz, divulgados na última sexta, 16, já apontavam queda no número de casos em toda região Norte

Eva Pires
fonte

Uma queda do número dos casos de covid-19 no Norte foi registrada pelo boletim Infogripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado na última sexta-feira (16). A região estava em alerta há semanas por conta do aumento no número de novos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) associados à covid-19. Já no Centro-Sul, alguns estados apresentaram sinal de crescimento. No Pará, A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) identificou uma queda de 93% dos casos confirmados de covid-19 de janeiro para fevereiro deste ano.

VEJA MAIS

image Vacinação contra covid-19 e influenza é retomada nesta quinta-feira em Belém; veja os locais
Para vacinar é necessário apresentar a carteirinha de vacinação e um documento oficial com foto

image Fiocruz recomenda cuidados contra o aumento de casos de covid-19 na Região Norte
No Pará, a fundação aponta aumento dos casos entre as crianças e jovens adultos

image Casos de covid aguda aumentam no Norte e Nordeste, alerta Fiocruz
Aumento nos casos chegou mais tardiamente ao Norte, impactando a região apenas agora na virada do ano

A análise da Fiocruz foi baseada nos dados inseridos no Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe) até 14 de fevereiro. Os estados do Norte, que foram os últimos a passar pelo ciclo recente de aumento de SRAG por covid-19, por volta da virada do ano, mostraram um indício de possível interrupção e até sinais de queda. No entanto, como o período da análise vigente foi o da semana pré-carnaval, possíveis internações decorrentes de infecções no período só vão aparecer nas próximas semanas.

Para o coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes, consequências do período do carnaval só poderão ser observadas nas próximas semanas. “Entre a pessoa desenvolver os primeiros sintomas e surgir um quadro grave o suficiente para necessitar a internação, leva por volta de uma semana ou pouco mais de uma semana. Então, apenas nas próximas semanas poderemos começar a observar possíveis consequências em termos de internações. Por enquanto, ainda é efeito pré-carnaval e início de 2024”, explicou.

Já os dados locais da Sespa mostram que, no mês de janeiro de 2024 houve 7.638 casos confirmados de covid -19 no Pará e neste mês de fevereiro de 2024, faltando dez dias para acabar o mês, foram registrados 193 casos confirmados de covid-19,  representando uma redução de 93% no número de casos.

 

Outras regiões

No Centro-Sul do país, alguns estados demonstraram um início do processo de retomada do aumento das internações associadas à covid-19. Entre esses, destacam-se São Paulo, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, assim como o do Rio de Janeiro, mais incipiente. Nas regiões Sul e Sudeste também são observadas algumas internações pelo vírus influenza, em volume muito menor do que a covid-19.

Marcelo Gomes faz uma recomendação aos foliões. “Para quem brincou o carnaval ou convive com pessoas que aproveitaram a festividade, é importante ficar bastante atento a eventuais sintomas de resfriado ou quadros parecidos com uma gripe. Em caso positivo, a orientação é buscar um posto de atendimento, fazer o teste, e se isolar".

"É importante fazer o isolamento mesmo que o teste para covid-19 dê negativo, pois eventualmente há os falsos negativos. O isolamento e o uso de uma boa máscara, para quem está com sintomas, funciona tanto para covid-19 quanto para a gripe, para a influenza. Prevenção é sempre mais importante e sempre mais fácil", concluiu.

A incidência e mortalidade de SRAG manteve o padrão típico de maior impacto entre crianças pequenas e idosos, nas últimas oito semanas. A incidência de SRAG por covid-19 continua afetando mais crianças de até 2 anos de idade e a população a partir de 65 anos de idade. A mortalidade da SRAG tem se mantido significativamente mais elevada nos idosos, com predomínio de covid-19.

(Eva Pires, sob supervisão de Fabiana Batista, coordenadora do núcleo Atualidade)

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Saúde
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!