Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Após impasse, Câmara aprova fim dos veículos de tração animal em Belém

Parlamentares aprovaram projeto com emendas que buscam mitigar impacto para os trabalhadores que utilizam o transporte

Eduardo Laviano / O Liberal

A Câmara Municipal de Belém aprovou uma nova versão do projeto que institui a gradativa redução de veículos de tração animal em Belém nos próximos cinco anos nesta quarta-feira (3).

Os 28 vereadores presentes votaram a favor da lei de autoria do vereador Mauro Freitas (PSDB). A aprovação ocorreu após uma confusão na semana passada entre ele e o vereador Renan Normando (Podemos), que havia proposto uma emenda ao projeto com um prazo de três anos para o cumprimento da meta, rejeitada pela Casa.

Antes de ambos, em 2018, um projeto do então vereador e agora deputado estadual Igor Normando (Podemos) instituiu que a tração animal deveria encerrar na capital paraense em até dez anos. 

Passada a polêmica que as múltiplas propostas causaram nas redes sociais, uma nova versão aprovada agora inclui duas emendas: uma parceria com o Fundo Ver-o-Sol, iniciativa de microcrédito da prefeitura de Belém, que teria como objetivo garantir que charreteiros possam, no futuro, adquirir bicicletas ou motocicletas adaptadas para substituir os animais.

A outra institui que em até cinco anos a prefeitura de Belém possa adquirir um espaço para que os animais que forem recolhidos das ruas tenham destino até que o problema dos veículos de tração animal nas ruas seja resolvido.

"Queria deixar bem claro que já aprovamos a redução de cinco anos semana passada, já aprovamos que só pessoas com mais de 18 anos possam conduzir essas charretes, já aprovamos que o animal pode trabalhar no máximo três horas, já aprovamos que o animal tem que ter água e alimento no decorrer do trabalho e que tenha local adequado para descansar. A população de Belém está muito orgulhosa com essa casa. É uma lei que parece simples, mas é importante porque ninguém mais consegue ver esse sacrífico dos animais", afirmou Freitas. 

Lívia Duarte (Psol) e Juá Belém (Republicanos) também se pronunciaram a favor do projeto. Fábio Souza (PSB) declarou que a solução chegou tarde considerando a escala do problema na capital paraense.

Na opinião dele, o tema é complexo e portanto não pode ser tratado de forma simples. Ele acredita que os trabalhadores impactados pela lei precisam ser assistidos, especialmente por conta da crise econômica causada pela pandemia de covid-19.

"Talvez a Casa tenha negligenciado o tema por muitos anos e nesta gestão, na gestão dos [novos] vereadores que ocuparam quase 50% dos assentos, que muitos projetos engavetados desde 2013 estão podendo serem efetivados. Esse projeto tem todo um efeito colateral, danos colaterais que precisam ser apreciados, e que já foram contemplados pelas emendas. Principalmente porque hoje na nossa cidade já não cabe mais a tração animal", diz.

Palavras-chave

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA