Alepa: veja quem são os deputados suplentes que ocupam as vagas dos prefeitos eleitos

Dr. Daniel Santos (MDB) e Renato Ogawa (PL) assumem as prefeituras de Ananindeua e Barcarena, respectivamente, em janeiro de 2021

Keila Ferreira

O resultado das urnas não foi favorável para a maioria dos deputados estaduais do Pará que disputava a cadeira de prefeito. Nove parlamentares entraram na corrida eleitoral e sete poderiam ser eleitos, porque alguns concorriam em um mesmo município, mas no final, apenas dois saíram vitoriosos. Mesmo assim, essas eleições provocaram importantes mudanças no parlamento estadual que vão ser concretizadas a partir de janeiro, quando os dois eleitos, Dr. Daniel Santos (MDB) e Renato Ogawa (PL), assumem as prefeituras de Ananindeua e Barcarena, respectivamente.

Eles são presidente e 1º vice-presidente da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) e precisam renunciar até o dia 31 de dezembro deste ano, segundo informações do Poder Legislativo Estadual. Os suplentes assumem logo no mês seguinte, ou seja, janeiro. No lugar de Daniel, entra o atual vereador de Belém, Adriano Coelho, do PDT. Como ainda existia a possibilidade de coligação na eleição proporcional de 2018, é o primeiro suplente da coligação quem assume, desde que ele tenha se mantido no partido, que é o caso de Adriano. Atualmente, Dr. Daniel está no MDB, mas foi eleito pelo PSDB, que coligou com DEM, PDT e PRP. O entendimento é que, mesmo ele tendo mudado de partido, a vaga continua com a coligação pelo qual foi eleito.

A ida de Adriano para a Alepa não vai gerar alterações na futura composição da Câmara Municipal de Belém, definida após a votação do último dia 15 de novembro. Ele não concorreu ao cargo de vereador nas eleições deste ano, abrindo espaço para o irmão, João Coelho (PTB), que conseguiu se eleger.

Já o primeiro suplente do PL, partido de Ogawa, é José Maria Tapajós, atual vice-prefeito de Santarém e que tenta se manter no cargo. Ele é vice na chapa de Nélio Aguiar (DEM), que está no segundo turno na disputa à Prefeitura de Santarém. A Redação Integrada de O Liberal procurou a assessoria do candidato para saber se, caso eleito, ele vai continuar como vice ou vai para a Alepa. Ainda não houve retorno.

O próximo suplente depois de José Maria Tapajós é Renato Paiva de Oliveira, vereador de Bragança que concorreu ao cargo de prefeito nas eleições deste ano, mas ficou em segundo lugar na disputa, com 19,27% dos votos.

MESA DIRETORA

Também haverá mudanças na composição da mesa diretora da Assembleia Legislativa do Pará, nas próximas semanas, com a saída de Daniel, que é o atual presidente, e Renato Ogawa, 1º vice-presidente. No próximo mês, será realizada a eleição para escolha da nova mesa diretora, que só tomará posse em fevereiro do ano que vem, já que o mandato da atual vai até 31 de janeiro de 2021.

Com a renúncia de Daniel e Ogawa até 31 de dezembro, quem assume a presidência da Alepa até a posse de fevereiro, pela ordem, é a atual 2ª vice-presidente, deputada Michele Begot (PSD).

De acordo com a Alepa, a eleição da nova mesa diretora será em dezembro, mas a data ainda não foi definida. Um dos nomes que têm sido cotados para disputar a presidência é o do atual líder do governo, Francisco Melo, conhecido como Chicão (MDB). A Assembleia Legislativa esclareceu que a inscrição de chapa pode ser feita na data da eleição.

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA