CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X

Miomas uterinos: especialista alerta sobre diagnóstico e tratamento da doença

A condição é comum entre mulheres na fase reprodutiva e, na maioria das vezes, não apresenta sintomas

Eva Pires*

A miomatose uterina atinge cerca de 70% das mulheres, especialmente na fase reprodutiva, podendo gerar dor, problemas menstruais e até infertilidade. A doença é caracterizada pela formação de miomas, nódulos benignos de músculo liso no útero. O assunto ganhou repercussão na última sexta-feira (21), quando a apresentadora Cariúcha foi internada às pressas, após apresentar fortes dores e sangramento, para a retirada de 17 miomas. A ginecologista Lara Batista da Fonseca, de Belém, alerta que a demora para a cirurgia aumenta os riscos e reduz as chances de preservação do útero. Ela também discute sintomas, diagnósticos, tratamentos e prevenção da condição.

Por ser uma doença estrogênio-dependente, ela terá maior incidência em mulheres durante a vida fértil: após a primeira menstruação, quando os ovários começam a produzir o hormônio estrogênio e, antes da menopausa, quando a produção se encerra. A médica também explica que os tipos de nódulos variam de acordo com a localização deles no útero, podendo ser dentro da cavidade uterina (miomas submucosos), dentro da parede uterina (miomas intramurais) ou na superfície do útero (miomas subserosos).

image Médica ginecologista Lara Batista da Fonseca (Foto: arquivo pessoal)

Sintomas

“Aproximadamente, 70% das mulheres não apresentarem sintomas. Entre as que apresentam, são comuns: cólicas; aumento abdominal; desconforto durante as relações sexuais; anemia severas; compressão de órgãos ao redor do útero, como bexiga e intestino; dificuldade para engravidar ou aborto espontâneo, o que pode causar um impacto muito significativo na qualidade de vida e na saúde física e mental dessas mulheres”, pondera.

Diagnóstico

A miomatose no histórico familiar é um fator de risco a ser considerado. Além disso, mulheres negras ou obesas também têm predisposição à doença, assim como as que apresentam menarca precoce ou menopausa tardia.

O diagnóstico é feito por imagem pelo ultrassom transvaginal. A ressonância magnética pode ser necessária para diagnóstico diferencial e melhor visualização dos componentes da condição, principalmente em caso de planejamento cirúrgico.

VEJA MAIS

image Pílula anticoncepcional: veja as principais dicas e orientações de uso
Mesmo sendo considerado um método seguro, os possíveis riscos e efeitos colaterais ainda geram preocupações e incertezas entre mulheres

image Alta sobrecarga da maternidade pode levar a doenças mentais, alerta psiquiatra
Na última semana, casos de violência de mãe contra filho causaram espanto. Um deles diz respeito à uma mulher que confessou ter matado a filha de 10 meses com chumbinho

image Casa da Mulher em Belém garantiu mais de 20 mil atendimentos especializados em 4 anos
Inaugurado em 2022, o espaço mudou de endereço e foi ampliado em 2019 para oferecer maior assistência multidisciplinar ao público feminino

Tratamento

“Apesar da alta incidência, nem todas as mulheres precisam de tratamento e, na maior parte dos casos, os miomas nem chegam a apresentar manifestações clínicas”, informa a especialista. Cerca de 30% das pacientes com mioma uterino necessitarão de tratamento devido à presença de sintomas, como o sangramento uterino anormal. Nesses casos, é possível recorrer ao tratamento farmacológico, utilizando os mesmos medicamentos disponíveis para a redução do sangramento.

Ela alerta que novos miomas podem surgir ou aumentar de tamanho durante o período menstrual. Por isso, é fundamental não interromper o tratamento clínico e continuar as consultas com a ginecologista para avaliar os resultados.

Não havendo resposta ao tratamento clínico, deve-se considerar a abordagem cirúrgica, na qual a via e o tipo de abordagem dependerão do número, da localização, do tamanho do mioma e do desejo futuro de engravidar. “A miomectomia, cirurgia de retirada dos nódulos, indicada em período adequado é necessária para tentar manter a preservação uterina e, consequentemente, a possibilidade de gestar dessa mulher. Quanto maior o número e diâmetro dos miomas, mais complexa fica a cirurgia, além de dificultar a preservação do útero”, avalia.

Gravidez e fertilidade

“A principal razão para o mioma prejudicar a fertilidade é quando ele distorce a cavidade endometrial, levando à dificuldade de implantação e maior chance de aborto. Isso ocorre principalmente quando miomas são submucosos”, explica a ginecologista.

Estilo de vida pode influenciar no aparecimento de miomas

Como as causas do surgimento do mioma uterino não são certas, não há como pontuar o que deve ser feito para evitar o surgimento. O estilo de vida, por outro lado, contribui significativamente para que eles se desenvolvam. Segundo a médica, as melhores formas de prevenir o aparecimento de nódulos uterinos são:

- Praticar exercícios regularmente

- Consumir álcool de forma moderada

- ⁠Alimentar-se de forma saudável e equilibrada

- ⁠Evitar alimentos com alto índice glicêmico

- Consultar-se periodicamente com um médico de confiança: essa é a mais importante das dicas, pois os miomas uterinos são, na maioria das vezes, assintomáticos, só sendo descobertos em consultas de rotina.

Pastora recupera o bem-estar após cirurgia para retirar miomas

Jucineide Pereira, de 36 anos, descobriu que tinha miomatose uterina, em outubro de 2022, após sentir dores na lombar ao se curvar durante as atividades cotidianas, como calçar o sapato e se exercitar na academia. Assim que recebeu o diagnóstico, ela foi indicada para realizar o tratamento cirúrgico e retirar oito miomas, sendo um deles do tamanho de uma mão.

image Jucineide Pereira, 36 anos (Foto: Cristino Martins | O Liberal)

A pastora compartilha como a miomectomia transformou sua vida: "A remoção dos miomas foi essencial para a minha qualidade de vida, pois eles comprimiam minha bexiga e me faziam sentir vontade de urinar constantemente", relembra.

A doença interferia em suas atividades diárias e no seu bem-estar geral. A cirurgia, portanto, proporcionou um alívio significativo, permitindo que ela retomasse suas atividades normais sem o desconforto persistente. ” Hoje não sinto sintomas, apesar de ainda ter alguns pequenos nódulos”, pondera.

Atualmente, Jucineide faz acompanhamento com ginecologista a cada seis meses. Investir em novos hábitos alimentares, como evitar carne vermelha e refrigerantes; tomar suplementos de ácido fólico e ômega 3 e inserir atividades físicas na rotina foram algumas das medidas necessárias que a pastora adotou para garantir a mudança no estilo de vida e evitar o surgimento de novos miomas.

O conselho que ela oferece a outras mulheres diagnosticadas com essa condição é manter a calma e buscar orientações de fontes confiáveis. “Tenha calma, miomas são inofensivos apesar de incomodar. O essencial é fazer o acompanhamento preventivo junto ao ginecologista e não se encher de tantas informações na internet, converse com o seu médico”, conclui.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Mulher
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!