REPÓRTER 70

Por Grupo Liberal

Mais tradicional coluna do jornalismo paraense. Aborda temas do cotidiano com atenção especial à economia e aos bastidores da política do Pará e do Brasil. | Twitter: @reporter_70

Lázaro Ramos: 'Eu não estou esperando o Brasil do futuro. A alternativa que escolhi foi: mudar hoje'

Repórter 70

Nova direção

Portaria no Diário Oficial da União de 16/11 nomeou o arquiteto Antonio Carlos Lobo Soares novo diretor do Museu Emílio Goeldi

Apoio acadêmico

A vulnerabilidade socioeconômica atinge 85% dos alunos da UFPA. Assim, a assistência estudantil é vital à instituição, diz o reitor Emmanuel Tourinho.

Lázaro Ramos (J. Bosco)

“Eu não estou esperando o Brasil do futuro não. É difícil, mas a alternativa que escolhi foi essa: mudar hoje”

Lázaro Ramos, ator, que lança esta semana o livro “Você Não É Invisível”, o seu segundo projeto como escritor. O título será lançado na Festa Literária Internacional de Paraty e é dedicado à escritora e linguista Conceição Evaristo. 

DOCUMENTÁRIO

“SEU” ROMULO

É aguardada com grande expectativa a exibição, hoje após o programa ‘Fantástico’, na Rede Globo, do documentário ‘Romulo Maiorana: 100 anos de história’. Com 60 minutos de duração, o especial fará um grande passeio pela história do “Seu” Romulo. Vai mostrar o começo da vida dele, em Recife; a chegada a Belém aos 31 anos de idade e sem nada, até o crescimento no comércio de Belém e, claro, a revolução nas comunicações do Pará, com a aquisição de O Liberal e a criação da TV Liberal.

ESPECIAL

Produzido pelo Jornalismo da TV Liberal, o documentário também vai mostrar o lado humano do “Seu” Romulo, exibindo imagens inéditas da sua intimidade junto aos familiares e amigos, e suas relações de amizade e a generosidade com os seus colaboradores, além da grande repercussão pela sua morte, que parou a capital paraense, em 1986. O jornalista Leo Nunes é o editor responsável pelo especial, que além da TV, também será exibido no Festival Itália Mia e ficará disponível na plataforma Globoplay.

COP 27

NOMES

Apesar da expectativa de que o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva fosse aproveitar a passagem pela Conferência das Nações Unidas para o Clima, a COP 27, para anunciar alguns nomes que vão compor seu governo, Lula fez encontros e pronunciamentos, mas nada disse sobre a nova equipe. A coletiva com a imprensa que cobria o evento foi cancelada de última hora. Segundo a assessoria, por conta dos encontros que antecederam a agenda com os jornalistas, levaram mais tempo que o previsto. Na quinta, já entrando pela noite, o presidente eleito teve reuniões com Espen Barth Eide, Ministro do Clima Norueguês; António Guterres, secretário geral da ONU, e Annalena Baerbock, ministra das relações exteriores da Alemanha.

EXPECTATIVA

Entre os brasileiros que estavam na COP, era tido como certo que Lula iria anunciar os nomes que vão comandar o Ministério do Meio Ambiente e o futuro Ministério dos Povos Originários. Os nomes já seriam, inclusive, um indicativo do tom que essas áreas vão atuar e seria um bom momento para cravar posição no cenário internacional sobre a política ambiental do País. Mas, Lula deu o tom no pronunciamento que fez e, como se diz, “chamou a responsabilidade” para si, não adiantando nomes que irá designar, a partir de janeiro de 2023.

SINAIS

Porém, mesmo sem dizer, alguns sinais foram comentados nos bastidores. Entre diversas lideranças do grupo que esteve no poder, nas gestões de Lula e Dilma, teve destaque na COP 27 o nome de Marina Silva, ex-ministra do meio ambiente e nome reconhecido internacionalmente. Marina teve uma série de encontros ao longo da semana, com diversas autoridades. Na sexta, 18, último dia do evento, foram mais quatro audiências: encontrou com o Ministro do Meio Ambiente do Japão, Nishimura, com a vice-presidente da Espanha, Teresa Ribeira, com a secretária da Convenção de Diversidade Biológica, Elizabeth Mrema, e também com representantes do governo norueguês.

CLIMA

Marina é cotada para assumir novamente o Ministério do Meio Ambiente. Mas também, está cotada para assumir um cargo a ser criado, numa função interministerial e com legitimidade para diálogos internacionais, especificamente para abordar a questão das mudanças climáticas. Inclusive essa função teria sido uma das propostas de Marina, que pode representar o País nos debates sobre os acordos de cooperação que envolvem, entre outros temas, o mercado de carbono e pagamentos de compensação pela preservação da floresta ao Brasil pelos países ricos.

RETORNO

Outro nome que representou Lula em encontros com autoridades foi a também ex-ministra Izabella Teixeira. Como Marina, ela iniciou a semana em Sharm El-Sheikh já realizando série de audiências. Chamou atenção o abraço apertado entre ela e Lula após discurso na programação oficial. Ambos trocaram conversas de pé de ouvido em várias agendas. Se criada a pasta para o debate sobre o clima destinada a Marina, o nome de Izabela passa a ser o mais cotado para o Ministério do Meio Ambiente.

INDÍGENAS

Já o Ministério dos Povos Originários tem Sônia Guajajara, maranhense eleita por São Paulo, e Joênia Wapichana, de Roraima, entre nomes cotados. Joenia larga na frente, pois não se reelegeu.

EM POUCAS LINHAS

► O trabalho feito pelo secretário José Fernando Gomes Júnior, titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), é reconhecido dentro e fora do Pará como um dos melhores das últimas administrações estaduais.

► Gomes Júnior é nome certo na continuidade do segundo mandato do governo Helder.

► Aliás, alguns secretários que vêm se destacando pelo excelente desempenho à frente das pastas do governo Helder certamente continuarão na próxima gestão.

► É o caso do secretário da Fazenda, René Sousa Júnior, que deve continuar no comando da arrecadação estadual.

► Assim como Elieth Braga, na secretaria de Educação (Seduc); Ivaldo Ledo, planejamento e administração (Seplad); Adler Silveira, secretário de Transportes (Setran); Rômulo Rodovalho (Sespa); a Casa Civil, com Luiziel Guedes, ex-chefe de gabinete do governo; Mauro O’de Almeida, à frente do Meio Ambiente (Semas); assim como Ualame Machado, secretário de segurança pública (Segup), que vem mostrando ótimos resultados no Estado.

► Neste segundo mandato, o governador Helder Barbalho vai optar por um secretariado mais técnico pensando em projetos de curto, médio e longo prazo.

► Tal tendência, com um corpo de secretariado mais técnico, deve se repetir nos outros Estados da União.

► Em tempo: o projeto socioeducativo Usina da Paz é considerado um exemplo de iniciativa exitosa tendo à frente a primeira-dama do Pará, Daniela Barbalho, e o patrocínio da Vale.

► O Festival Itália Mia, evento gratuito promovido pelo Grupo Liberal, vai se destacar também no cinema, com apresentação de obras clássicas no Festival de Cinema Italiano, entre os dias 25 e 27 de novembro, no Sesc Ver-o-Peso, em Belém.

► A Estação das Docas terá a parte do evento voltada à gastronomia, arquitetura, dança e música, ressaltando as conexões do país europeu com o Pará. O ‘Itália Mia’ tem apoio do Grupo Ocrim.

Palavras-chave

Repórter 70
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!