Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Como cônsul alemão acusado de matar o marido conseguiu deixar o Brasil; entenda

O diplomata passou três semanas preso e, por decisão da justiça, foi solto na última sexta-feira (26)

Luciana Carvalho

O cônsul alemão Uwe Herbert Hahn, acusado pela morte do marido, passou três semanas preso e, por decisão da justiça, foi solto na na última sexta-feira (26). Dois dias após sair do presídio e sem ter o passaporte retido, ele embarcou rumo à Alemanha, onde desembarcou na manhã de segunda-feira (29). As informações são do portal Metrópoles.

Segundo a Polícia Civil, Hahn é o responsável pela morte de seu companheiro, o belga Walter Henri Maximilien Biot, no apartamento em que os dois moravam, em Ipanema, na zona sul do Rio. O cônsul alemão foi preso no dia 6 de agosto.

Já no dia seguinte à sua prisão em flagrante, a Justiça substituiu a medida para preventiva. Desde então, o diplomata foi mantido no presídio de Benfica, na zona norte da cidade, até que, por determinação da desembargadora Rosa Helena Penna Macedo Guita, da 2ª Câmara Criminal, foi solto.

VEJA MAIS

Cônsul alemão é preso suspeito de matar o marido belga
Segundo a versão relatada pelo suspeito, o marido havia passado mal e batido a cabeça após um tropeço

Justiça nega 'habeas corpus' a cônsul alemão suspeito na morte do marido belga
A defesa alegou imunidade diplomática e ausência de flagrante

Cônsul era violento e arrogante, revelou amigo de belga morto por marido no Rio de Janeiro
Testemunha informou que agressões e violência psicológica eram constantes no relacionamento

De acordo com a magistrada, houve “flagrante excesso de prazo para a propositura da ação penal” por parte do Ministério Público. O órgão, no entanto, nega.

A desembargadora entendeu que o MP desrespeitou o prazo de dez dias para a denúncia do cônsul. Já a Promotoria afirma que o prazo passaria a contar apenas a partir do dia 19 de agosto, data em que foi recebida a intimação.

Segundo o MP, “há essencial diferença entre a “expedição da intimação” e o “recebimento da intimação”.

Denúncia

Hahn foi denunciado por homicídio triplamente qualificado na tarde de segunda-feira, dia 29. Segundo o MP, “o delito foi cometido por motivo torpe, abjeto sentimento de posse que o denunciado nutria pela vítima, subjugando-a financeira e psicologicamente, e não admitindo que o ofendido tentasse estabelecer algum nível de independência do denunciado, seja economicamente seja estabelecendo relações de amizade com outras pessoas”.

Ainda de acordo com o órgão, o crime foi praticado com emprego de meio cruel: “severo espancamento a que a vítima foi submetida, causando intenso e desnecessário sofrimento. O delito foi cometido de forma a dificultar a defesa da vítima, que se encontrava com sua capacidade de reação reduzida pela ingestão de bebida alcoólica e de medicação para ansiedade”, diz trecho.

Lista da Interpol

Na noite de segunda, a Justiça do Rio aceitou a denúncia. No entanto, como Hahn saiu do Brasil no dia anterior, o juiz Gustavo Kalil, da 4ª Vara Criminal, pediu a inclusão de seu nome na lista de procurados pela Interpol.

“Oficie-se, de ordem, com urgência, à Polícia Federal sobre a existência do mandado de prisão, a fim de incluir o Acusado no banco internacional de procurados e foragidos da INTERPOL. Por cautela, oficie-se, de ordem, com cópia, às Embaixadas da Alemanha e da Bélgica, por se tratar de Réu alemão e vítima belga”, determinou o magistrado.

(Luciana Carvalho, estagiária da Redação sob supervisão de Keila Ferreira, Coordenadora do Núcleo de Política).

 

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL