Veterinária Aryane Silva ensina dicas para proteger os pets durante as festas de Ano Novo

Fogos de artifícios, principalmente, são a maior causa de preocupação para quem tem animais de estimação

Polaroide

Os fogos de artifícios, muito comuns nos espetáculos a céu aberto e datas comemorativas, com o tempo ganharam cores e tecnologias surpreendentes. O que é beleza para alguns, será transtorno para outros – especialmente para os animais de estimação e seus proprietários.

Esses sons não incomodam somente animais domésticos: bebês, crianças pequenas e alguns idosos, além de causarem inúmeros desconfortos na vida selvagem, podendo até provocar a morte de muitas espécies de animais.

Para falar mais sobre este tema, a Troppo + Mulher conversou com a médica veterinária, Aryane Silva, especialista no assunto.

Porque os fogos de artifícios incomodam tanto aos animais?

Os cães, por exemplo, têm a audição mais sensível que nós humanos: eles escutam em uma frequência, que nós não somos capazes de captar (humanos ouvem frequências entre 16 e 20.000 Hz, enquanto que o cão pode ouvir entre 10 a 40.000 Hz), por isso os fogos de artificio incomodam tanto pelo barulho quanto pelo medo.

Quais as consequências que os barulhos dos fogos de artifícios podem trazer para os pets?

Se alguns tipos de fogos de artifício estourarem muito próximos aos pets, pode ocorrer dano físico ao tímpano (membrana que conduz o som até o ouvido). Esses danos físicos podem ser desde uma ruptura ou laceração, comprometendo assim a audição dos pets, podendo perder a audição.

Como reconhecer sinais de que o animal está com medo ou ansiedade por conta dos fogos?

Os animais podem ficar desde arredios, com medo, se escondem ou até podem ficar agressivos. Podem ter tendência a latir mais – alguns cães por medo também urinam e as vezes até defecam em lugares não habituais.

Quais dicas para acalmar o pet?

Existem algumas técnicas que podem ser utilizadas para deixar os animais mais calmos, como por exemplo colocar um som (música) um pouco mais alto, que ‘mascare’ o som dos fogos, oferecer brinquedos com desafios para que possam distrair os animais dos sons dos fogos. Deixar janelas e portas fechadas para que os sons de fora sejam minimizados. Colocar chumaços de algodão nos ouvidos também ajuda a abafar o som. Evitar que eles tenham acesso a ambientes de risco como pátios com portões abertos, pois lugares assim tornam-se potencialmente arriscados durante os fogos. Os animais podem se assustar e ao sair correndo, correndo o risco de serem atropelados.

A veterinária compartilhou mais dicas:

– Essencial é que, ao ter conhecimento de que seu pet não suporta os sons dos fogos de artificio, procure um médico veterinário para que ele indique – com segurança – algum tipo de calmante/relaxante. No mercado existem vários tipos – desde florais, homeopáticos e ansiolíticos alopáticos. Procure sempre um veterinário para usar qualquer uma dessas medicações é essencial para o animal.

– Outra dica é buscar um profissional adestrador que trabalhe esse medo nos cães. Assim, um cão adestrado aprende a não ter medo dos fogos, correndo menos riscos de acidentes, como o de sair correndo e ser atropelado.

Para saber mais:

Instagram: @Aryanesilva

Troppo