Pará tem maior volume disponível para aplicação em Crédito Rural

Valores financiados para atividades no campo superam demandas dos demais segmentos. Do volume global de R$ 2,8 bilhões para o crédito rural, foram disponibilizados para 2020 R$ 1,6 bilhão.

Com informações de Banco da Amazônia

A atividade rural é uma das que mais cresce no Pará, inclusive, está entre as que menos sentiram os impactos na economia causados pela pandemia da Covid-19 nos últimos meses. Em 2019, os recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) para o Crédito Rural disponibilizado pelo Banco da Amazônia chegaram a cerca de R$ 1,5 bilhão no estado, superando o aporte utilizado para os demais setores, que foram equivalentes a R$ 1,3 bilhão.

Para este ano, o banco tem orçamento previsto em R$ 1,6 bilhão, somente para a atividade rural. "A expectativa é que esse volume seja superado, já que os setores deste segmento foram os menos afetados com a crise econômica. Esperamos um crescimento entre 20 e 30% na aplicação de recursos do Crédito Rural em comparação ao último ano", afirma Edmar Bernaldino, superintendente do Pará e Amapá.

Crédito Rural

Os recursos usados para o Crédito Rural fazem parte do FNO e são disponibilizados pelo Banco da Amazônia para todos os estados da Região Norte por meio de diferentes linhas de crédito que contemplam atividades no campo.

Segundo o superintende do Basa, até o mês de maio deste ano, foram contratados R$ 480 milhões no Pará, um crescimento, comparado ao mesmo período de 2019, de 33% dos recursos aplicados. "Devemos chegar ou ultrapassar os R$ 600 milhões ainda no primeiro semestre", adianta Edmar Bernaldino, que explica que o maior volume de contratação de Crédito Rural é realizado no segundo semestre, término do período chuvoso e com início do período da safra 2020/2021 e melhores condições para as atividades deste fim.

Os recursos do Crédito Rural podem ser utilizados desde a implantação de um empreendimento, ampliação, diversificação, adequação e modernização de infraestrutura da propriedade, para aumento da capacidade de produção, com linhas que atendem desde a agricultura familiar até grandes empreendimentos rurais.

"Há soluções para investimento fixo, compra de animais, implementos agropecuários e custeio para atividades que compõe a cadeia produtiva do agronegócio, por exemplo. É um portfólio bem amplo. Temos ainda conseguido dar um impulso maior, nos últimos anos, com o plantio de grãos, uma vocação no nosso estado, com linhas para armazenagem, assim como linhas para compras de máquinas e equipamentos, como plantadeiras e colheitadeiras", explica Edmar.

Linhas de crédito

Entre as opções disponibilizadas pelo Banco da Amazônia para o incentivo da atividade rural estão o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), o FNO Amazônia Sustentável, voltado para atender as atividades do agronegócio, independente do setor ou porte, a partir do pequeno produtor, além do ABC Biodiversidade, um programa que financia e apoia a agricultura de baixo carbono e a manutenção e recuperação da biodiversidade amazônica.

"As principais vantagens são a carência, que pode chegar a três anos e depende do aporte financeiro aprovado, os prazos para pagamento, até 12 anos, e as taxas de juros, que são abaixo das taxas de mercado por se tratar de um recurso do FNO", pontua o superintendente do banco.

Incentivo

Carlos Ferreira, gerente de negócios; Raul Dadalt, produtor rural e cliente do Banco da Amazônia; e Wendel Cunha (Divulgação)

O produtor rural Raul Dadalt, de Rurópolis, município localizado no oeste paraense, atua no segmento desde sua infância. Em 1993, contratou o primeiro financiamento pelo FNO, no Banco da Amazônia, conseguindo assim, aumentar sua produção de soja e milho.

"A lavoura de soja é muito onerosa. Se não fosse o aporte financeiro para custeio contratado não teria conseguido me firmar na produção", afirma o produtor, que hoje também tem criação de gado e conta com seis funcionários.

Raul conta que graças ao incentivo financeiro, consegue priorizar os estudos de seus dois filhos, uma menina que passou recentemente em Direito em uma universidade federal, e seu filho de 13 anos, que pretende seguir os passos do pai na Agronomia ou Administração.

"Minha esposa atua como professora, mas me ajuda muito com toda a questão burocrática nos negócios. Sempre fomos muito bem atendidos no Basa, com soluções que atenderam as nossas necessidades ao longo de todos esses anos", elogia.

Facilidade

Para tornar mais simples o acesso aos créditos disponibilizados pelo Banco da Amazônia, a instituição tem investido em plataformas digitais, que garantem agilidade para iniciar o relacionamento com o banco, sem a necessidade de ir até uma agência bancária. Por meio do app Sua Conta Basa, é possível abrir conta, fazer cadastros, enviar documentação, entre outras soluções.

"Após a aprovação do cadastro, é possível solicitar uma visita técnica na propriedade rural, onde será feito um levantamento para avaliar informações para a análise de limite de crédito, como tamanho da área, capacidade produtiva e questões ambientais", orienta Edmar Bernaldino, superintendente do Pará e Amapá.

De acordo com ele, as análises são ágeis e, após a avaliação, são repassados os valores disponíveis para todos os itens do portfólio para que se possa encontrar a melhor solução para cada cliente.

Publieditorial
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM PUBLIEDITORIAL