Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Banco da Amazônia oferece crédito de até R$ 21 mil para microempreendedores formais e informais

Programa Amazônia Florescer é opção fácil e rápida para empreendedores que têm dificuldade em comprovar renda e precisam do aporte para desenvolver o negócio

Microempreendedores de toda a Amazônia Legal podem ter acesso a crédito no Banco da Amazônia para financiar um negócio, seja ele formal ou não, por meio do programa Amazônia Florescer. A expectativa da instituição é superar a casa dos R$200 milhões aplicados no microcrédito ainda neste ano.

O programa possui duas vertentes: a rural, voltada para agricultores que utilizam a terra para subsistência, na qual são atendidas comunidades quilombolas, indígenas, pequenos produtores; e a outra vertente voltada para a área comercial, de serviços e produção, que é o microcrédito urbano.

“Temos empreendedores que vendiam salgado na feira, depois passaram a ter um carrinho de lanche, depois tiveram um pequeno restaurante e depois ampliaram um negócio para dois, três restaurantes. Se a pessoa faz doces, salgados, pode entrar, fazer parte de um grupo solidário e ter acesso a esse crédito”, exemplifica Luiz Lourenço, Gerente Executivo de Pessoa Física do Banco da Amazônia.

Crédito Solidário

A liberação de crédito é realizada de forma coletiva. Luiz explica que os empreendedores formam o grupo num único contrato com o pagamento do financiamento feito com um único boleto, com o montante acordado para o grupo, e as parcelas são divididas conforme a necessidade de cada um.

“Digamos que tenham três pessoas nesse grupo, uma foi agraciada com sete mil, a outra com cinco mil, e a outra com três mil, cada um vai ter um valor na parcela, ou seja, é um único valor, mas cada um sabe o quanto terá que pagar para totalizar o valor do boleto. Uma dessas pessoas é identificada como coordenadora e ela quem fica responsável em reuniões, organizará os pagamentos etc.”, explica Luiz.

Luis Lourenço, gerente de Pessoa Física do Banco da Amazônia, destaca que o crédito contempla microempreendedores informais e autônomos, como manicures, cabeleireiros e feirantes (Reprodução OLiberal.com)

O programa Amazônia Florescer Urbano é realizado em parceria com a Amazoncred. Os assessores de crédito desta empresa são quem levam as informações do programa às comunidades e organizam os empreendedores, e também preparam os adeptos ao programa, ensinando a administrar fluxo de caixa e a se organizar financeiramente para que o negócio cresça.

MPO Digital

O Banco da Amazônia dispõe de um aplicativo que cadastra os clientes, organiza o grupo e faz a proposta de crédito de maneira muito simples e rápida. A pessoa se torna bancalizada dentro de um dia. O que antes era uma dificuldade muito grande para os pequenos empreendedores, hoje se tornou prático e mais personalizado. Os consultores podem ser acionados sempre que houver necessidade de esclarecimentos e agendamento de reuniões.

Pré-requisitos, valores e prazos

O Amazônia Florescer Urbano é um programa que foi pensado para ser fácil para o microempreendedor. O que precisa para se cadastrar é apenas o RG, CPF, comprovante de residência e ter uma atividade produtiva.

Na hora de escolher valores e prazos, alguns pontos serão levados em consideração, como o fluxo de caixa e a capacidade de pagamento do empreendimento. O cliente que chegar ao fim das parcelas com pagamentos em dia, automaticamente tem o crédito renovado e aumentado entre 30% e 100% do primeiro valor. Com a evolução do negócio, a linha de crédito também acompanha esse crescimento.

A taxa de juros do Amazônia Florescer Urbano é fixa, de 2,4% ao mês. Além dela, existe uma tarifa de abertura de crédito que é de 3% do valor, pago uma única vez.

“Os valores vão depender do nível que o empreendimento se encontra. Se está bem no início e precisa de um pouco de volume de recursos; se o negócio já está em andamento, ou se já está solidificado. Por isso, nesse programa, o crédito começa com R$ 300 e vai até R$ 21 mil”, detalha o Gerente de Pessoa Física do Basa.

Balanço

Luís Lourenço acredita que o microcrédito é o futuro para muitos negócios e ele se baseia nas metas que crescem a cada ano. Em 2020, o Banco da Amazônia alcançou a marca de R$ 102 milhões. E apenas neste ano, nos seus primeiros sete meses, alcançou R$ 117 milhões aplicados no microcrédito. A meta é chegar a R$ 1 bilhão em 2024.

Durante os 14 anos de atuação do Amazônia Florescer Urbano, 400 mil empreendedores populares foram atendidos, sendo 320 mil somente no Pará. E nesse tempo todo quem ganha destaque são as mulheres, 62% do crédito tem sido destinado para elas.

Para saber mais detalhes do programa Amazônia Florescer e todas as soluções em crédito disponíveis no Banco da Amazônia, clique aqui.

Conteúdo patrocinado
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!