Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Amazônia Check

Por Grupo Liberal

Checagem especializada e jornalística sobre temas referentes à Amazônia abordados por presidenciáveis em vídeos exibidos durante campanha eleitoral. O projeto é uma parceria com o programa 'Jogo Limpo', do YouTube Brasil

Amazônia Check: Checamos o que Ciro Gomes disse sobre a Amazônia em entrevista ao Grupo Liberal

Equipe do Amazônia Check, projeto em parceria com ICFJ e Youtube, monitora e checa informações sobre a região amazônica ditas pelos candidatos à presidência. Confira a checagem e análise das falas ditas por Ciro Gomes (PDT):

Carolina Mota, Eduardo Laviano, Gabriel Mansur, Mariana Azevedo e Vitória Reimão

O candidato à Presidência da República Ciro Gomes (PDT), participou da rodada de entrevistas sobre Amazônia do Grupo Liberal em parceria com oito veículos de comunicação de cada estado da Amazônia Legal.

A entrevista ocorreu no dia 6 de setembro. Na ocasião, foram 13 afirmações sobre a região: nove verdadeiras, três falsas e uma enganosa.

A equipe de jornalistas do projeto Amazônia Check analisou as falas e consultou especialistas para atestar a veracidade das afirmações. Confira abaixo:

VERDADEIRO

"Integrar para não entregar. Esse era o slogan dos militares. Então [foram feitos] grandes eixos de infraestrutura como a Transamazônica, BR-319 e BR-163"

De acordo com o Instituto Humanitas Unisinos, as rodovias BR-230, conhecida como Transamazônica, e BR 163, que liga Cuiabá (MT) a Santarém (PA), fizeram parte do Plano Nacional de Integração (PIN), que foi criado pelo então presidente Emílio Garrastazu Médici, em 16 de julho de 1970.

A proposta previa que 100 quilômetros em cada lado das estradas a serem construídas deveriam ser destinados à colonização, já que a intenção do governo era assentar cerca de 500 mil pessoas em agrovilas que seriam fundadas.

Entre 1968 e 1973, a BR-319 foi aberta e construída, sendo a única ligação por terra entre Porto Velho e Manaus, também fruto do mesmo projeto de integração.

VERDADEIRO 

"O Pará já é praticamente o estado mais desflorestado de toda amazônia. O Acre é diferente, é o estado mais preservado"

Segundo dados do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o Acre desmatou, em abril deste ano, uma área de 11 quilômetros quadrados. O número registrado é 10% menor que o registrado entre agosto de 2020 a abril de 2021, que foi de 488 Km² de destruição.

A afirmativa sobre o Acre está correta, já que o SAD informou que o desmatamento no estado acreano representou 1% do total na Amazônia Legal. Com relação aos estados da Amazônia Legal com o maior percentual de território desmatado, de acordo com o Inpe, o Maranhão possui 40% de áreas desmatadas, em seguida vem Rondônia com 39%, depois Mato Grosso 24% e, por último, o Pará com 22% de áreas desflorestadas. O Pará, portanto, não é o estado mais desmatado da região, mas como o candidato usou a palavra 'praticamente', consideramos a frase verdadeira.

ENGANOSO

“O solo do estado do Amazonas é arenoso, ali se você desflorestar pode virar um grande deserto” 

A questão de que o solo do estado do Amazonas seja arenoso é enganosa, já que apenas 7% da área é ocupada por solos arenosos, ou seja, por solos que apresentam menos de 15% de argila. Esses solos são classificados como neossolos quartzarênicos e espodossolos.

O restante da região (93%) é majoritariamente ocupado por solos com uma porcentagem de argila superior a 15% e que, portanto, não podem ser considerados como arenosos. De acordo com o pesquisador Wenceslau Teixeira, da Embrapa Solos, o estado do Amazonas apresenta um predomínio de solos das classes latossolos e argissolos, com preponderância das texturas argilosas, já que são muito argilosas e médias.

“Os solos com textura arenosa mais ocorrentes no Amazonas são os espodossolos localizados de forma mais concentrada na região conhecida como Cabeça do Cachorro na divisa com a Venezuela. Mas os espodossolos apresentam ocorrências em diversas regiões (próximos às cidades de Manaus, Presidente Figueiredo, Humaitá, entre outras). Estes solos são frágeis, com uso bastante limitado para exploração agrícola e apresenta uma vegetação endêmica típica (as Campinas e Campinaras). Esses solos arenosos, representam cerca de 7% - 10 % da área do Estado do Amazonas”, disse. “Se desmatar pode virar um deserto, mas não porque o solo seja arenoso. Ele deve ter ficado impressionado com alguma área de campina que é areia", disse Teixeira

Ciro em entrevista alusiva ao Dia da Amazônia (Divulgação)

FALSO

“Só pra você ter uma ideia, o Polo Industrial de Manaus é 83% do PIB do Amazonas”

Segundo a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas (Sedecti), o Produto Interno Bruno (PIB) do maior estado da Amazônia Legal, em 2021, foi de pouco mais de R$126 bilhões. Em valores absolutos, a atividade econômica que mais somou neste valor foi o setor terciário, ou de serviços, que chegou a quase R$62 bilhões no ano, cerca de 49% do valor total do PIB.

A indústria, setor citado pelo candidato, representada majoritariamente pelo Polo Industrial de Manaus, somou pouco mais de R$38 bilhões, chegando a 30% do valor total do PIB. Ou seja, os valores apresentados por Ciro Gomes não correspondem aos apresentados pelo governo do estado. Portanto, a afirmação é falsa.

Próximo ao valor apresentado pelo ex-governador do Ceará está apenas a relação entre o faturamento da Zona Franca de Manaus em 2021 e o PIB do estado do Amazonas. O Polo Industrial de Manaus, inclusive, fatura mais do que o PIB do estado do Amazonas. Segundo a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), o faturamento do Parque Industrial de Manaus foi de pouco mais de R$160 bilhões em 2021. O PIB do Amazonas chega próximo de 80% do faturado pelo Polo Industrial de Manaus, valor semelhante aos 83% citados pelo candidato à Presidência da República.

FALSO

"O Amazonas tem duas delegacias da Polícia Federal"  

Segundo a assessoria do órgão, a Superintendência Regional no Amazonas conta com 10 delegacias especializadas em Manaus e uma delegacia descentralizada em Tabatinga. A Polícia Federal no Amazonas conta ainda com alguns pontos de apoio que atuam nas vias fluviais e postos avançados em São Gabriel da Cachoeira, Santo Antônio do Içá e Tefé.

VERDADEIRO

"Só o estado do Amazonas é maior do que Portugal, Espanha, França e um pedaço da Itália juntos"

A informação é verdadeira. De acordo com dados do Google Maps, o estado do Amazonas possui uma extensão territorial de 1.571.000 km², enquanto os quatro países europeus citados por Gomes somam 1.443.372 km².  Abaixo, confira o tamanho de cada um:

Portugal: 92.212 km ²
Espanha: 505.990 km²
França: 543.940 km²
Itália: 301.230 km²

VERDADEIRO  

“No Amapá você tem tradição de produzir arroz”

Além da tradição do cultivo no estado, a produção do arroz está crescendo no Amapá. Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística mostrou que, em 2020, a produção de arroz no estado apresentou a melhor perspectiva do Brasil, 28,78% a mais que no ano anterior (2019). Esse número configura 1.056 toneladas, contra 820 produzidas em 2019.

FALSO

"8% da produção industrial do Brasil sai de Manaus"

De acordo com a Confederação Nacional da Indústria, um levantamento feito em 2019 aponta que o estado do Amazonas contribui com 2,4% do percentual nacional da produção industrial.

VERDADEIRO

“Entre Rio Branco e João Pessoa, nós temos uma distância maior do que, o mundo pouco sabe disso, Lisboa e Moscou”

De acordo com os dados gerados na plataforma Google Maps, a distância entre Rio Branco e João Pessoa compreende 4.658,0 km, o que confirma a informação citadas pelo candidato Ciro Gomes, pois o percurso é maior que o espaço entre as capitais Lisboa e Moscou, que compreende 4.561,4 km.

VERDADEIRO

"Os principais focos de desmatamento ilegal são em unidades de conservação"

Podemos considerar essa afirmação verdadeira. Segundo o Sistema Prodes, que monitora a região, as Unidades de Conservação já atingiram o maior índice de desmatamento dos últimos 10 anos. Só entre agosto de 2018 e julho de 2019, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o desmatamento em Unidades de Conservação na Amazônia Legal cresceu 35%. Já um levantamento feito pelo Imazon, mostra que as Unidades de Conservação estaduais perderam 1.799 km² de florestas em três anos, de 2019 a 2021.

VERDADEIRO 

“Duas crianças yanomami foram engolidas por uma draga ilegal” 

No dia 12 de outubro de 2021, duas crianças yanomami, de 4 e 7 anos, morreram sugadas por uma draga de exploração ilegal de minérios. Os dois meninos brincavam às margens do rio Parima, em Roraima, quando foram sugados pelo maquinário usado por garimpeiros ilegais e depois arrastados pela correnteza do rio. 

VERDADEIRO 

“A BR-163, que ajudei a coordenar o grupo” 

Ciro Gomes não foi claro quanto ao grupo que ele ajudou a coordenar, mas ele foi Ministro da Integração Nacional entre 2003 e 2006, época em que o governo federal desenvolveu o Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável para a Área de Influência da Rodovia BR-163, trecho Cuiabá-Santarém (Plano BR-163 Sustentável), que buscava estabelecer novos paradigmas para o desenvolvimento da Amazônia Brasileira. 


Com o lema “Integrar para não Entregar”, a construção da BR-163 fez parte do Plano de Integração Nacional do governo de Ernesto Geisel, que tinha como objetivo interligar a região norte do Brasil com as demais, por via terrestre, dada a pressão internacional pela ocupação da Amazônia. Assim, em 1970, foram criados o 8º e o 9º Batalhão de Engenharia de Construção (BEC) e instalados em Santarém (PA) e Cuiabá (MT), respectivamente, com a missão de implantar a rodovia entre as duas cidades. A expedição Pioneiros da BR-163 foi criada por 22 civis e militares responsáveis por sua construção. A inauguração foi em 20 de outubro de 1976.

VERDADEIRO 

"A tribo dos Cinta Larga explora diamantes em Rondônia"

No dia 08 de dezembro de 2015, a Polícia Federal deteve por cinco dias, seis lideranças Cinta Larga. Na época, a operação investigava o esquema bilionário de desvio e lavagem de dinheiro na Petrobras.

Nos crátons (nome de estruturas geológicas que dão origem à formação de diamantes), a PF desarticulou uma organização criminosa que promoveu crimes ambientias para extração e comercialização ilegal de diamantes na região do “Garimpo do Lage”, conhecido também como Garimpo do Roosevelt.

Segundo as investigações, participavam da organização empresários, comerciantes, garimpeiros, advogados e índios. Entre os seis índios que foram presos estão os caciques Nacoça Pio Cinta Larga e Marcelo Cinta Larga. Os nomes dos outros índios não foram divulgados.

Amazônia Check
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!