Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

LUÍS ERNESTO LACOMBE

Formado em jornalismo, trabalha desde 1988 em televisão. Foram 20 anos na Rede Globo e passagens pela Rede Manchete e Bandeirantes. Hoje, tem dois programas na Rede TV!, dois projetos na internet e ainda é colunista de três grandes jornais do país. É autor de quatro livros, um deles best seller. Em 2021, venceu o prêmio Comunique-se, o mais importante da área de Comunicação no Brasil, em duas categorias. | lacombe@brasilmediahouse.com

O caminho, a verdade e a vida

Luis Ernesto Lacombe

Eles estão mergulhados em política, numa enlameada oposição ao presidente. Como podem cuidar do processo eleitoral assim, movidos pelo ódio a um governo? Como podem prometer isenção, imparcialidade, equilíbrio, se nos dividiram, estigmatizaram um lado, empurraram fantasias de grupo do mal para aqueles a que se opõem e se apropriaram de chamativas fantasias de super-heróis. Quem cai na cantilena da voz pausada e suave? As palavras escapolem da boca em biquinho mandando beijinhos aos queridinhos do bem e suspirando superpoderes... Mas as fantasias de heróis e mocinhos não se sustentam, são um figurino desajeitado, fajuto, estão mofadas, descosturadas, rasgadas, puídas. As mentiras que os juízes contam, as leviandades, as injustiças e ilegalidades que cometem, essas forças maléficas revelam: o autointitulado grupo do bem é uma farsa!

O encontro em Harvard, com a participação de candidatos à presidência – menos Bolsonaro, “que ameaça a democracia” – seria legítimo. O problema foi se vender como uma reunião de “líderes e representantes da diversidade no Brasil”. Pode olhar a lista de participantes, era a tal terceira via na veia. Os reis da diversidade que não é diversa, da tolerância que ignora o contraditório, esses não sabem conversar, só entre eles... Dois ministros do Supremo Tribunal Federal incluídos, abraçando evento político, fazendo militância. É tudo pela democracia, inclusive a censura, o controle da internet, das diversas plataformas, que uma deputada federal defendeu. Ela tem muito medo da reeleição de Bolsonaro e perguntou ao ministro Barroso como é possível evitar que isso aconteça... Barroso respondeu que “eles são mais fortes que o inimigo”.

O STF disse que deturparam ou tiraram de contexto falas do magistrado no encontro nos Estados Unidos. Deveria, sim, ter condenado a participação de dois juízes, Barroso e Lewandowski, num movimento político. Metam a cara nos autos, falem nos autos! Em vez disso, metem-se em tudo. No Executivo, derrubando até decisões cuja prerrogativa constitucional é do presidente, questionando qualquer medida adotada, cobrando explicações, como se fossem os nossos magistrados os grandes conhecedores de todas as coisas. No Legislativo, houve interferência no processo de discussão sobre a segurança do sistema de votação. Neste momento, estão interferindo nas conversas sobre o absurdo PL das Fake News. Eleição, é nisso que pensam nossos juízes, e como agentes de oposição que odeiam o presidente da República.

"Nós somos a democracia. Somos os poderes do bem”, disse Barroso em Boston. Lewandowski acrescentou que Bolsonaro é negacionista e genocida. Agências de checagem afirmaram que os magistrados disseram a verdade. Ninguém perguntou como esses togados podem julgar uma causa que envolva o governo federal... Eles tocam uma conspiração carregada de empáfia e falsidade. São militantes políticos declarados e descarados. E eles vão cuidar das urnas eletrônicas... Conversam sobre como derrotar o chefe do Executivo... Eles acham que são deuses! E estão por aí, dizendo: “Somos o caminho, a verdade e a vida”.

Luis Ernesto Lacombe
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!