CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X

Belém Cidade Gastronômica: episódio traz receita irresistível de profiteroles de frutas amazônicas

O preparo do prato foi comandado pela chef Alinne Barros, que foi aluna de gastronomia da Unama

Paloma Lobato
fonte

Quem tem a oportunidade de conhecer o Pará sabe o quanto a diversidade de sabores da região é encantadora. Não é por menos que a culinária paraense é considerada uma das mais especiais em todo o mundo. Parte desse mérito vem dos frutos presentes na região, com consistências variadas e sabores únicos. O "Belém Cidade Gastronômica", um projeto do Grupo Liberal, com o apoio da Unama e da Prefeitura de Belém, apresenta o que há de melhor na gastronomia do estado, além de trazer dicas para os apaixonados pela cozinha.

Nesse sétimo episódio, o apresentador, fotógrafo e influencer de viagens e gastronomia, Prix Chemical, traz uma receita irresistível, com frutas que são a cara da nossa região: profiteroles de frutas amazônicas com nibs e chocolate de origem. 

O primeiro passo foi escolher as frutas e principais ingredientes para a receita. Quem ajudou Prix nessa missão foi o professor de gastronomia da Unama, Bruno Morais. O apresentador e o docente foram até o mercado Ver-o-Peso, que é símbolo da diversidade de cores e sabores da capital paraense, para comprar os produtos.

O profiteroles de frutas amazônicas tem como principal característica a diversidade de sabores de frutas tradicionais do Pará, como o cupuaçú e o bacuri. Durante a compra dos produtos, Bruno destacou os benefícios de comprar as frutas em forma de polpa, como a praticidade, e também as propriedades nutricionais das frutas naturais. 

"Por conta da praticidade, é muito mais fácil comprar a polpa. Mas a fruta vai apresentar propriedades nutricionais melhores, porque ela tá na forma natural. Então, a gente não tem um processamento, não expôs ela à luz, ao calor. Por isso, a gente não perde os nutrientes originais da fruta", destaca Bruno Morais. 

E quanto à escolha do cupuaçú e bacuri, o docente dá dicas para escolher os frutos. "O bacuri e o cupuaçú são da mesma família, basicamente. Então, a primeira característica que a gente tem que observar é o odor. Se eles estão com o odor característico forte da fruta, já indica que ela está boa para consumo", explica o professor, que também é especialista em gastronomia hospitalar. 

image Bruno Morais, professor de gastronomia da Unama, foi até o mercado Ver-o-Peso comprar os ingredientes da receita (André Oliveira/O Liberal)

Além disso, o profissional ressalta algumas características físicas que podem e devem ser observadas nos frutos, como algumas rugas presentes na parte interna do cupuaçú, o que mostra que o mesmo está adequado para uso. Já o bacuri possui uma coloração amarelada e com um cheiro bem forte.

O profiteroles é uma receita tradicional da França. Mas o Belém Cidade Gastronômica traz uma sobremesa com um formato inovador, marcado por sabores típicos do Pará. Para o professor da Unama, essa transformação na receita original é uma forma de dar uma nova cara para o prato, valorizando o que é da região. "Você tá dando oportunidade para que as pessoas provem a receita do jeito que elas gostam. Acredito que vale muito a pena regionalizar", complementa Bruno.

Além das frutas tradicionais, a receita utiliza o cacau, em formato de nibs. Bruno explica que o prato utiliza a semente do cacau, dando vida ao chamado nibs, que é utilizado como finalizador da sobremesa. Além disso, o professor destacou um projeto realizado pela Unama, onde os alunos desenvolvem o seu próprio chocolate. 

"A gente desenvolve o projeto de elaboração do chocolate, que vai da amêndoa à barra, onde os próprios alunos fazem o seu chocolate com a orientação de uma professora renomada na área, Luciana Centeno, onde eles desenvolvem várias técnicas utilizando tapioca, cupuaçú. O cacau que a gente tá utilizando, que vai ser produzido o chocolate, vai ser um chocolate extremamente de origem, porque além de ser produzido no Pará, ele foi produzido dentro da universidade, pelos próprios alunos", finaliza Bruno. 

Hora de preparar a sobremesa

Comer doce traz uma sensação boa para o nosso cérebro. Mas preparar receitas de sobremesas nem sempre é uma tarefa fácil. É preciso muito amor e dedicação para tornar o sabor dos pratos ainda mais especiais e únicos. A chef Alinne Barros entende bem do assunto e recebeu a missão de preparar o profiteroles de frutas amazônicas. A profissional, que foi uma das alunas de gastronomia da Unama, traz de berço o amor pela cozinha e, especialmente, pela confeitaria. 

Apesar do amor pela gastronomia, Alinne se formou na área de comunicação social. A profissional trabalhou em uma agência de publicidade, mas acabou retornando para a cozinha após perder a mãe, que trabalhava como confeiteira e tinha uma agenda de encomendas para cumprir. 

"Minha mãe faleceu precocemente e tinha uma agenda para cumprir. Eu fui cumprir a agenda e não saí mais. Pedi demissão da agência e fiquei trabalhando. Senti a necessidade de estudar, me aperfeiçoar e vim fazer gastronomia na Unama. Me formei e estou há 13 anos trabalhando na área", explica a chef de cozinha.

image Uma dica na hora de escolher o cupuaçú é ficar atento se o mesmo apresenta o odor característico forte da fruta (Divulgação)

Durante a conversa, Alinne ressalta as dificuldades de atuar na área da confeitaria, o que exige um cuidado ainda maior do profissional. "A maioria não gosta muito dessa área, porque é uma área muito precisa, delicada. Têm receitas que não dá pra fazer vários processos ao mesmo tempo. Então, você precisa centrar e se dedicar mais. Precisa ter mais precisão nas receitas, nos preparos e nas pesagens, o que acaba sendo um pouco mais trabalhoso", destaca a profissional. 

Entre uma conversa e outra, a chef realiza o preparo da receita, começando pela massa do profiteroles. Após a massa ficar pronta, é hora de colocá-la no forno. Em seguida, inicia a preparação do ganache, onde foi utilizado o chocolate de origem, produzido e fabricado no Pará.

Com a massa prontinha e o ganache no ponto, o próximo passo é rechear a sobremesa com sorvete de bacuri e sorvete de cupuaçú. O toque final fica por conta do nibs de cacau, que corresponde ao grão de cacau torrado. 

Destaque no mercado

Buscar melhorias e inovações é fundamental em qualquer área profissional, inclusive na gastronomia. Pensando nisso, a chef Alinne Barros destaca a importância de trazer novidades para se destacar no mercado. Ela ressalta os desafios para quem quer se tornar um profissional diferenciado.

image A receita de profiteroles traz o tradicionalismo do prato com um toque especial das frutas da região (André Oliveira/O Liberal)

"É uma profissão cansativa, a gente passa muito tempo em pé, tanto na área da confeitaria quanto na área da gastronomia, como um todo, e precisa o tempo todo estar se reciclando, estudando, inovando e trazendo coisas novas, porque a gastronomia é assim, ela muda muito rápido. As novidades aparecem muito rapidamente, principalmente na área da confeitaria. Então, tem que ficar sempre ligado no que tá acontecendo", afirma a chef Alinne.  

Gostou de aprender essa receita que é a cara de Belém? Para acompanhar o passo a passo do preparo da sobremesa é só assistir o episódio completo do "Belém Cidade Gastronômica". Além de se deliciar com o profiteroles de frutas amazônicas, você tem a chance de conhecer um pouco mais sobre a gastronomia da região.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Belém Cidade Gastronômica
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!