História e imaginário foram destaques no Rainha das Rainhas 2019

Criações ressaltaram o poder feminino ao longo dos séculos

Redação Integrada

As fantasias apresentadas ao público e aos jurados da 73ª edição do concurso Rainha das Rainhas do Carnaval tiveram como temas predominantes a história antiga e as entidades que povoam o imaginário humano. Deusas, guerreiras, alquimistas, sedutoras ou mesmo a mais simples e anônima das mulheres, o que se viu no palco foi o desfile de um luxuoso panteão feminino em uma bela e justa homenagem ao poder, graça e força da mulher.

Manoela Reis (AP) personificou "Atena, a Deusa da Guerra e da Sabedoria"

 

Das antigas Grécia e Roma veio a inspiração para a fantasia da candidata da Assembleia Paraense, Manoela Ramos Reis, que personificou "Atena, a Deusa da Guerra e da Sabedoria". Do lendário germânico saiu "Fréya – A Soberana das Valquírias", incorporada pela candidata do Tênis Clube, Izabelle Pereira da Silva, e das tradições celtas a criação de "Excalibur e a Ninfa do Bosque de Avalon", desfilada por Amanda Macedo, do Clube dos Advogados.

O imaginário regional também foi destacado na edição deste ano do Rainha das Rainhas e ganhou uma empolgante performance com Stephanie Melém, representante do Guará Acqua Park, com o tema "Matinta Pereira, o conto amazônida".

Ellem Rafaela Corrêa (AABB) com sua "Nymphaea Caerulea: adoração ao lótus azul"

 

As forças e o encanto da natureza estiveram presentes nas fantasias usadas pelas candidatas da AABB, Ellem Rafaela Corrêa, com sua "Nymphaea Caerulea: adoração ao lótus azul"; do Clube do Remo, Ponnyk Melo Torres, que desfilou o tema "Orôro Monroe, a poderosa Tempestade", e do Grêmio Literário Português, Raiane Quaresma, com o seu "Tributo ao Caño Cristales", o rio de cinco cores considerado o mais bonito do mundo, localizado na Colômbia.

A ode ao engenho e à habilidade feminina deu o tom da criação de "Mirian, a Alquimista", fantasia apresentada por Thais Mangabeira, candidata do Paysandu, que representou a descoberta e o pioneirismo do ofício de trabalhar um dos metais mais cobiçados do mundo: o ouro. Já a complexidade do universo interior foi o tema escolhido pelo estilista que assinou a fantasia "Psique a metamorfose da alma humana', usada por Roberta Oriana, do Casota.

"Lapin Jaguar – Símbolo do brilho eterno", tema defendido por Izabelle Mourão, da Tuna

 

A sensualidade usada como instrumento de sedução esteve representada em "Lapin Jaguar – Símbolo do brilho eterno", tema defendido por Izabelle Mourão, da Tuna; "The life of the nigth Queen", que a candidata do Cassazum, Beatriz Calandrine, personificou, e em "A Rainha da Noite da Ópera “A flauta mágica”, defendida por Raíssa da Silva, do Clube dos Oficiais do Corpo de Bombeiros.

O universo geek também marcou presença na edição deste ano e ganhou a torcida do público jovem que acompanhou a transmissão do concurso pelas redes sociais. A missão de retratar "Kitana: a guerreira do Mortal Kombat" coube à candidata da Associação dos Empregados da Eletronorte (Aseel), Bruna Serra. E dos quadrinhos veio a inspiração para a criação da fantasia "Tóxica Sedução de Hera', tema da candidata do Bancrévea, Paula Rafaella Menezes.

"Kitana: a guerreira do Mortal Kombat" personificada por Bruna Serra (Aseel)

 

A história mais recente do País foi a fonte utilizada para a criação de uma das fantasias que conquistaram o público do RR 2019. "Sena – O sonho da vitória continua" homenageou a trajetória do piloto brasileiro Aírton Sena e arrancou aplausos da platéia com um efeito que permitia que a fantasia inicial se transformasse em um carro, e a coroa da candidata Milena de Jesus em um capacete, colocando a ASTCEMP entre as mais cotadas para o prêmio da noite.

Milena de Jesus (Astcemp) arrancou aplausos com a homenagem de seus clube ao ídolo Aírton Sena

 

E revisitando uma página da história nacional, outra homenagem, desta vez à Maria Bonita, companheira do cangaceiro Virgulino Ferreira (o "Lampião"), representada na fantasia "Maria do Brasil", exibida por Jéssica Ferreira, da ASALP. Outra Maria também lembrada foi aquela que está presente em cada mulher brasileira que batalha diariamente por seus direitos, seja ela conhecida ou anônima, "Simplesmente Maria", destacada na performance de Mariely Soares, do Clube de Engenharia.

De acordo com Ana Unger, integrante da coordenadoria do concurso, a turma de candidatas dessa edição se destacou pela disciplina e respeito. "Sempre disciplinas, atentas as orientações e muito carinhosas. Elas se dedicaram do início ao fim do concurso e eu fico muito honrada e feliz com isso. A disciplina é o diferencial para qualquer candidata", pontuou.

Ana Unger afirmou ainda que as candidatas passaram muita segurança no palco. "A segurança é fundamental para que a candidata mostre aos jurados que está confiante e que sabe o que está fazendo. O complemento é a simpatia, que todas tinham."

Rainha das Rainhas