Bolsonaro é criticado por disseminar acusação falsa contra jornalista

No domingo, Bolsonaro divulgou uma acusação contra uma repórter do jornal O Estado de S. Paulo

Reuters

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) criticaram o presidente Jair Bolsonaro, nesta segunda-feira (11), por uma postagem no Twitter na qual faz um ataque à imprensa.

No domingo, Bolsonaro divulgou uma acusação contra uma repórter do jornal O Estado de S. Paulo afirmando que ela disse em uma gravação que queria contribuir para o impeachment do presidente e para "arruinar a vida" do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente e que está envolvido em um episódio sobre movimentações financeiras suspeitas apontadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

No entanto, o áudio divulgado pelo presidente, com a repórter falando em inglês com um interlocutor, deixa claro que ela afirma que o episódio envolvendo Flávio pode criar sérios problemas para o governo Bolsonaro e possivelmente levar a seu impeachment.

Nem o presidente nem Flávio deram explicações a promotores que investigam o senador em conexão com pelo menos dois apartamentos de luxo que ele comprou no Rio de Janeiro.

A Abraji e a OAB disseram em comunicado conjunto nesta segunda-feira que Bolsonaro usa "sua posição de poder para tentar intimidar veículos de mídia e jornalistas, uma atitude incompatível com seu discurso de defesa da liberdade de expressão".

O tuíte de Bolsonaro no domingo mobilizou seus simpatizantes nas redes sociais, com a hashtag #EstadaoMente entrando entre os assuntos mais comentados da rede e com ameaças sendo feitas contra a repórter. Nesta segunda, entretanto, a hashtag #BolsonaroÉFakeNews ganhou destaque entre os principais assuntos.

A Presidência da República disse que Bolsonaro se recusou a comentar o incidente.

O Estadão publicou uma reportagem em seu site nesta segunda-feira criticando duramente o tuíte do presidente.

O jornal disse que o áudio da repórter foi feito durante uma conversa telefônica em 23 de janeiro com alguém que se apresentou com o nome de Alex MacAllister. Essa pessoa, disse o jornal, se identificou como um estudante que fazia um estudo comparativo entre Bolsonaro e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e fez perguntas à repórter sobre as investigações sobre Flávio.

Bolsonaro frequentemente usa o Twitter para criticar a cobertura jornalística sobre seu governo e, como Trump, disse estar em guerra com as "fake news".

Política