Ex-amante e assassino confesso de PM é condenado a 13 anos de prisão em Santarém

Marlon contou que teve um caso amoroso com o sargento que teria ficado com ciúmes por causa de uma nova relação sua com uma mulher

Redação Integrada

Por maioria de votos, o Tribunal do Júri de Santarém condenou, na terça-feira (4), Marlon de Souza Nascimento, 22 anos, a 13 anos e 9 meses de reclusão em regime fechado. O reú confesso foi considerado culpado pelo homicídio do sargento da Polícia Militar Alcelio Farias do Carmo, morto com dois tiros em 10 de abril de 2017.

Marlon contou que teve um caso amoroso com o sargento e que ele teria ficado com ciúmes por causa de uma nova relação sua com uma mulher, o que teria levado o sargento a tentar matá-lo no dia mencionado. Marlon acabou puxando uma arma que o sargento havia lhe dado e acabou matando seu suposto ex-amante.

O promotor do caso, Ramon Furtado, defendeu a desclassificação do crime para latrocínio, já que bens da vítima foram subtraídas do local do crime, mas a defesa feita pelos advogados Igor Dolzanis e Wlandre Leal rechaçou a tese, pedindo aos jurados que considerassem o Homicídio Privilegiado, por conta da situação de crime passional por causa do envolvimento entre os dois.

Os jurados desconsideraram as duas teses e acataram o que constava da Sentença de Pronúncia, no caso Homicídio Qualificado. Acusação e defesa têm cinco dias para apelar da sentença do juiz. O réu, que está preso desde a data do crime, aguardará o resultado do possível recurso no Centro de Recuperação Agrícola Silvio Hall de Moura - CRASHM.

Polícia