Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Empresário é um dos paraenses presos em Portugal por ligação com esquema do 'Escobar brasileiro'

O empresário, de Barcarena, foi detido junto com o tenente da Polícia Militar Aderaldo Pereira de Freitas Neto, no âmbito da Operação "Norte Tropical"

O Liberal

O empresário Marco Antonio Faria Junior, que possui negócios no município de Barcarena, no Pará, é outro paraense preso na semana passada pela Polícia Judiciária de Portugal por envolvimento com tráfico internacional de drogas. Ele foi detido junto com o tenente da Polícia Militar Aderaldo Pereira de Freitas Neto

VEJA MAIS

Paraenses presos em Portugal por tráfico de drogas em açaí seriam ligados a 'Escobar brasileiro'
Operação "Norte Tropical", da Polícia Judiciária de Portugal, foi iniciada nesta semana. Dupla presa teria ligação com um esquema liderado pelo maior traficante português, conhecido como "Xuxas"

Tenente da PMPA preso em Portugal por tráfico de drogas pode ser expulso da corporação
Aderaldo Pereira de Freitas Neto é suspeito de participar de um esquema de tráfico internacional de drogas

Ambos foram detidos em Lisboa. De acordo com uma pessoa próxima do círculo de amizade de Marco Antonio, ele teria dito que viajaria para a Europa a passeio e aproveitaria para receber em Lisboa uma carga de açaí, que foi exportada do Pará, a partir do Porto de Vila do Conde. Escondida na carga estava também a cocaína que seria traficada para diversos países. Durante a operação, ambos foram flagrados e presos pela polícia portuguesa. 

As prisões ocorreram no âmbito da Operação "Norte Tropical". Segundo a autoridade portuguesa, a dupla faria parte de um esquema maior comandado por Ruben Oliveira, conhecido como “Xuxas” - maior traficante português -, e pelo Sérgio Carvalho - o "Major Carvalho", também chamado de “Escobar brasileiro”. Ambos também já foram presos.

A Polícia Judiciária portuguesa confirmou a prisão dos brasileiros pela droga apreendida em carga de açaí, mas não forneceu os nomes deles. A polícia portuguesa confirmou que prossegue com as investigações e com as buscas a mais pessoas envolvidas no esquema.

Operação apreendeu carga suficiente para fazer mais de 3 milhões de doses de cocaína

Em nota, a Polícia Judiciária de Portugal confirmou que "através da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes, desencadeou, nos últimos dias, uma operação policial no decurso da qual foi possível localizar e depois apreender elevada quantidade de cocaína".

A autoridade informa ainda que a droga "seria suficiente para a composição de pelo menos 3.200.000 (três milhões e duzentas mil) doses individuais". A droga apreendida estava em um "carregamento de açaí congelado, que havia chegado recentemente a Portugal num contentor marítimo, proveniente de um país da América Latina", informa a polícia portuguesa.

Segundo a polícia, existem ainda "fortes suspeitas de (os dois presos) integrarem uma organização criminosa que se dedica à introdução de grandes quantidades de cocaína no continente europeu", informa.

De acordo com informações extraoficiais, o tráfico de drogas em cargas de açaí faz parte de um esquema comandado pelo português Ruben Oliveira, de 28 anos, o "Xuxas". Ele é considerado pelas autoridades portuguesas como o maior traficante do país e com vasta rede de ligações

Ele seria um dos nomes fortes do traficante brasileiro Sérgio Carvalho, o “Major Carvalho”, que foi preso na semana passada na Hungria, em megaoperação que envolveu a Polícia Federal brasileira, a polícia portuguesa e a Interpol. Carvalho ficou conhecido como o “Escobar brasileiro”, em referência a Pablo Escobar, colombiano que ficou famoso por comandar um cartel do narcotráfico e estava fugido de Portugal desde quando começou a megaoperação "Exotic Fruit", em fevereiro deste ano.

Segundo as investigações, Ruben Oliveira tornou-se “sócio” de Sérgio Carvalho a partir de 2018, ficando responsável por recrutar e organizar as cargas de drogas vindas da América do Sul até a Europa, com entrada por Portugal, via marítima e aérea. Ruben, o “Xuxas” foi preso em fevereiro deste ano, em operação chamada “Exotic fruit", ou “fruta exótica”, em tradução simples. O nome faz referência ao esquema comandado por Xuxas, que traficava cargas de cocaína em cargas de exportação de frutas, como banana e mamão. E, com a recente prisão de dois paraenses, estaria também traficando drogas em cargas de açaí.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA