Fuzileiros dos EUA desaparecem após colisão de aeronaves no litoral do Japão

Forças marítimas já localizaram dois dos sete fuzileiros navais desaparecidos

Agência Reuters

Cinco fuzileiros navais dos Estados Unidos estão desaparecidos desde que duas aeronaves do Corpo de Fuzileiros Navais colidiram em pleno ar e caíram no mar no litoral do Japão durante um exercício de reabastecimento aéreo nesta quinta-feira, disseram autoridades japonesas e norte-americanas.

O Ministério da Defesa do Japão disse que até agora suas forças marítimas encontraram dois dos sete fuzileiros navais que estavam a bordo das aeronaves --um caça F/A-18 Hornet e um Hercules KC-130-- no momento do incidente.

Um se encontra estável na Estação Aérea do Corpo de Fuzileiros Navais de Iwakuni, e o segundo foi encontrado cerca de 10 horas após a colisão e levado para uma embarcação militar japonesa, disse o ministério. Não se sabe nenhum outro detalhe sobre o segundo fuzileiro naval, segundo um porta-voz da pasta.

Os esforços de busca e resgate dos outros cinco prosseguem, disse a autoridade militar mais graduada do Japão

"Planejamos continuar durante toda a noite", disse Katsutoshi Kawano, chefe do Estado-Maior das Forças de Autodefesa, em uma coletiva de imprensa.

O incidente se soma a uma lista crescente de acidentes da aviação militar dos EUA em todo o mundo nos últimos anos que levou o Congresso a realizar audiências para examinar esse aumento.

No início deste ano o Military Times noticiou que os acidentes aéreos cresceram quase 40 por cento entre os anos fiscais de 2013 e 2017. Ao menos 133 efetivos morreram nestes incidentes, disse.

Líderes do Congresso classificaram o surto de acidentes como uma "crise" e os atribuíram a operações de combate constantes, o adiamento da modernização, a falta de treinamento e equipamentos obsoletos.

Os acidentes militares dos EUA são um tópico delicado no Japão, especialmente para os moradores de Okinawa, região do sul que abriga a maior parte da presença norte-americana no país. Uma série de pousos de emergência e a queda de peças de aeronaves militares ressaltaram as preocupações com a segurança.

Pessoas presentes na sala de espera de um hospital de Tóquio ficaram em silêncio quando a notícia da colisão apareceu na televisão, e uma mulher sussurrou a outra "isso é muito assustador".

"O incidente é lamentável, mas nosso foco no momento é busca e resgate", disse o ministro da Defesa japonês, Takeshi Iwaya, em uma coletiva de imprensa.

Mundo