Preparador físico admite dificuldades na pré-temporada

Tempo de preparação não é considerado o ideal

Redação Integrada

O preparador físico do Paysandu, Fred Pozzebon, admitiu que o tempo de pré-temporada da equipe, concluída em 19 dias, não é a ideal. "Mas é o que temos", avaliou. 
O Paysandu estreia no Campeonato Paraense no próximo dia 23, contra o São Francisco, no estádio da Curuzu. O elenco, embora ainda recebendo novos jogadores, reapresentou-se no último três de janeiro. Como jogou o Campeonato Brasileiro da Série B, que terminou no fim de novembro, e tendo a obrigatoriedade de dar 30 dias de férias, o Papão foi o último grupo a se apresentar, se compararmos com os outros adversários do Parazão 2019. 
Na rotina bicolor, impressiona para qualquer observador a quantidade de treinos técnicos e táticos ao invés de físico, como rotineiramente acontece em momentos pré-competição. 
Pozzebon explicou o motivo. "O principal desafio é deixá-los em condição de jogo para atuar 90 minutos. Eles não estarão na melhor das performances, o tempo não é o ideal, mas é o que nós temos. Nós temos que suportar, bater, bater para furar a linha defensiva do adversário. Por isso, poucos trabalhos físicos analíticos, mas com bola".  Tudo é previamente acordado com o treinador João Brigatti. 
Apesar das aparentes dificuldades, o preparador físico elogiou a condição de vários jogadores, embora não citando-os claramente. "O grupo chegou num nível bom, os atletas que vieram de fora tiveram consciência. Isso me ajudou. Agora, é atacar onde eles apresentam deficiência". A comissão técnica do Papão afirma que é impossível adiantar quando o grupo estará em um nível físico plenamente satisfatório. "Não tem como quantificar quando vai ser o ápice. Vamos trabalhar para estar no nosso melhor e manter a regularidade", disse Pozzebon, adiantando o perfil geral do elenco. "O Paysandu tem que ter um time de força, guerreiro que corre para fazer gol".
 

Paysandu