Parece coisa de maluco, mas o mundo real não existe

Você olha para este mesmo mundo com os seus filtros, que são outros, diferentes dos meus

Márcia Acatauassú Ledo

Quando ouvi isso pela primeira vez numa aula de PNL - Programação Neurolinguística, não fez nenhum sentido para mim. Mas conforme fui entendendo melhor o funcionamento do cérebro, entendi perfeitamente a afirmativa. E explico.

Tudo o que vemos, ouvimos ou sentimos entra em nós pelos nossos 5 sentidos: visão, audição, olfato, paladar e tato. Quando o nosso cérebro recebe qualquer informação, ele imediatamente reage de alguma forma com base do que já tem de informação dentro dele ou com base em seu instinto. Quando pegamos em algo muito quente, por exemplo, imediatamente tiramos a mão porque nosso sistema límbico (animal, reativo, instintivo) entrou em ação e nos protege.

Por outro lado, quando temos uma sensação (informação) que exige o nosso sistema racional entrar em ação (neocortex, raciocínio), avaliamos e tomamos a decisão em algum tempo a mais. Esse conjunto todo entre emoção e razão, sistema límbico e neocórtex nos faz receber a mensagem, processar e reagir, porém, durante esse "processamento da mensagem", diversos filtros fazem com que venhamos a entender as coisas de forma diferente de outra pessoa.

Esses filtros fazem parte de nosso sistema de crenças, valores, cultura local, história familiar, criação, educação, o nosso ser emocional, o que recebemos ou deixamos de receber, e por isso ninguém vê o mundo da mesma forma. Se eu olhar para uma foto de um avião voando, certamente terei vontade de viajar porque faz parte da minha história de vida viajar, desde criancinha. Algo que amo, que me faz bem. Já para outra pessoa, que perdeu um amigo em um acidente, um avião representa medo, e até morte. Isso faz de nossos dois mundos coisas completamente diferentes.

Então veja: um mesmo objeto que para mim pode ser alegria, para outro pode ser tristeza, ou medo, ou dor. Isso significa que quando eu olho para o mundo, o nosso planeta Terra, eu vejo um certo mundo, passando pelos meus filtros, minhas crenças, meus medos. E você olha para este mesmo mundo, passando pelos SEUS filtros, que são outros, já diferentes dos meus. E além de olharmos de modo diferente (passando por uma primeira peneira de filtros), quando devolvemos aos outros a nossa imagem de mundo através da nossa fala, mais uma vez essa imagem passa por outros filtros, da linguagem, da comunicação, das limitações, do que devo ou não dizer, das censuras internas, etc, etc.

Entendeu agora por que não existe mundo real? Mesmo nós todos tendo a mesma foto do planeta Terra em mãos, vamos descrever diferentes planetas Terra para quem contarmos a respeito dela: a Terra que percebemos e a Terra que descrevemos. E qual é então a verdade sobre essa Terra, então? A verdade é que esse mundo real não existe. Em PNL a melhor resposta sempre é DEPENDE DOS OLHOS DE QUEM ESTÁ VENDO.Quando ouvi isso pela primeira vez numa aula de PNL - Programação Neurolinguística, não fez nenhum sentido para mim. Mas conforme fui entendendo melhor o funcionamento do cérebro, entendi perfeitamente a afirmativa. E explico.

Tudo o que vemos, ouvimos ou sentimos entra em nós pelos nossos 5 sentidos: visão, audição, olfato, paladar e tato. Quando o nosso cérebro recebe qualquer informação, ele imediatamente reage de alguma forma com base do que já tem de informação dentro dele ou com base em seu instinto. Quando pegamos em algo muito quente, por exemplo, imediatamente tiramos a mão porque nosso sistema límbico (animal, reativo, instintivo) entrou em ação e nos protege.

Por outro lado, quando temos uma sensação (informação) que exige o nosso sistema racional entrar em ação (neocortex, raciocínio), avaliamos e tomamos a decisão em algum tempo a mais. Esse conjunto todo entre emoção e razão, sistema límbico e neocórtex nos faz receber a mensagem, processar e reagir, porém, durante esse "processamento da mensagem", diversos filtros fazem com que venhamos a entender as coisas de forma diferente de outra pessoa.

Esses filtros fazem parte de nosso sistema de crenças, valores, cultura local, história familiar, criação, educação, o nosso ser emocional, o que recebemos ou deixamos de receber, e por isso ninguém vê o mundo da mesma forma. Se eu olhar para uma foto de um avião voando, certamente terei vontade de viajar porque faz parte da minha história de vida viajar, desde criancinha. Algo que amo, que me faz bem. Já para outra pessoa, que perdeu um amigo em um acidente, um avião representa medo, e até morte. Isso faz de nossos dois mundos coisas completamente diferentes.

Então veja: um mesmo objeto que para mim pode ser alegria, para outro pode ser tristeza, ou medo, ou dor. Isso significa que quando eu olho para o mundo, o nosso planeta Terra, eu vejo um certo mundo, passando pelos meus filtros, minhas crenças, meus medos. E você olha para este mesmo mundo, passando pelos SEUS filtros, que são outros, já diferentes dos meus. E além de olharmos de modo diferente (passando por uma primeira peneira de filtros), quando devolvemos aos outros a nossa imagem de mundo através da nossa fala, mais uma vez essa imagem passa por outros filtros, da linguagem, da comunicação, das limitações, do que devo ou não dizer, das censuras internas, etc, etc.

Entendeu agora por que não existe mundo real? Mesmo nós todos tendo a mesma foto do planeta Terra em mãos, vamos descrever diferentes planetas Terra para quem contarmos a respeito dela: a Terra que percebemos e a Terra que descrevemos. E qual é então a verdade sobre essa Terra, então? A verdade é que esse mundo real não existe. Em PNL a melhor resposta sempre é DEPENDE DOS OLHOS DE QUEM ESTÁ VENDO.

Escola do Conhecimento [OFF]
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!