Maioria dos novos negócios abertos no país é de mulheres

Elas vem fazendo diferença no empreendedorismo, de acordo com o Sebrae

Elisa Vaz/Redação Integrada

Ao derrubar barreiras e abrir novas oportunidades, as mulheres têm ocupado mais espaço no mercado de trabalho. Na área do empreendedorismo, elas comandam 51,5% dos negócios abertos em todo o país, segundo dados divulgados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Muitas têm histórias inspiradoras, como é o caso de Vânia Bordalo, de 45 anos, que deixou uma profissão promissora para seguir a paixão recente por gastronomia.

Há dois anos, abriu mão de uma carreira consolidada em uma multinacional para criar uma empresa de confeitaria, conforme relata. Hoje, recebe, por mês, cerca de 100 encomendas de bolos confeitados - carro-chefe do negócio - e 900 de cupcakes, sendo que o número dobra em épocas especiais, como Páscoa, Natal, Dia das Mães e Dia da Mulher, que é comemorado hoje. Além desses itens, Vânia também tem produção de bolos de pote, pudins e suspiros, por exemplo. A empresária, que começou a empreender sozinha, agora já conta com uma equipe de 10 pessoas, direta e indiretamente. Já o faturamento dobrou desde o último emprego.

Tudo começou em 2016, quando Vânia decidiu fazer uma receita de bolo de pote no fim de semana da Páscoa e conquistou familiares e amigos. Pouco depois recebeu 300 encomendas e encarou a tarefa. Quando descobriu a paixão pela produção de bolos e doces, em 2017, iniciou um curso de graduação em Gastronomia e passou a seguir a carreira. "Eu já era reconhecida profissionalmente e tinha 43 anos. Não pensava em mudar, mas fiz cursos online e presenciais, além da graduação, e me apaixonei. Aprendi técnicas, me inspirei em profissionais nacionais e internacionais, me especializei na área e investi muito em capacitação e utensílios. Resolvi deixar minha antiga profissão e criei uma conta empresarial nas redes sociais. Contratei pessoas que me ensinaram a lançar o negócio no mercado e outras para degustarem os produtos que crio. Hoje tenho minha identidade e receitas próprias", contou.

De passatempo a profissão

Cozinhar, que antes era apenas um passatempo, tornou-se parte de sua rotina. Dentro de casa, precisou mudar alguns espaços para inserir os novos armários cheios de produtos da área. Para ela, foi difícil, mas Vânia garantiu que nunca se sentiu diminuída. "Empreender do zero é difícil, mas tive apoio de muitas pessoas. Apesar dos momentos de insegurança, descobri o tamanho da minha força. A mulher é uma empreendedora nata, e tem capacidade de se reinventar. Não somos o sexo frágil, somos empoderadas. Aprendi com a minha mãe e acho que sempre devemos correr atrás do que merecemos", opinou.

Um dos diferenciais do negócio da empresária é o planejamento. Como Vânia também é formada em Economia, utiliza o conhecimento para controlar custos, gastos, estoques e faturamentos. O próximo projeto da empreendedora é capacitar outras mulheres nas áreas de gastronomia e finanças. Além de dar cursos para pessoas que querem seguir o mesmo caminho, Vânia ainda pretende atuar em ações sociais, ensinando mulheres que estão em situação de risco ou sem condições financeiras para custear capacitações.

Economia