Stepan Nercessian avalia participação em "Sob Pressão"

Ator se despediu da série após ser assassinado e fala sobre importância de Samuel para a trama

Redação Integrada, com informações da TV Globo

Uma coisa é certa: Stepan Nercessian deixará saudade e seu personagem também. A trajetória de Samuel – médico veterano e ex-diretor do Macedão – chegou ao fim no episódio de "Sob Pressão" exibido na noite de terça-feira, dia 4. A alegria, a simpatia e o profissionalismo, características do ator, já fazem falta nos bastidores. Mas, apesar da despedida do ator na série ser dolorosa, a morte do personagem é de extrema importância para a trama, que apresenta a corrupção como ponto central nesta temporada.

Os últimos acontecimentos envolvendo Samuel e Renata (Fernanda Torres), atual diretora do hospital, mostram que a ganância e a corrupção são capazes de matar. Resta a Carolina (Marjorie Estiano), que acaba levando a culpa pela morte do amigo, provar que não se trata de um erro médico e sim de um assassinato. Ela é a única que poderá desmantelar o esquema instaurado por Renata em sua gestão, já que as melhorias e a modernização do hospital fazem com que todos, até mesmo Evandro (Julio Andrade), aprovem sua administração.

Segundo Lucas Paraizo, redator final da segunda temporada, na dramaturgia, o bom personagem tem que enfrentar um dilema para que, diante dele, revele o seu verdadeiro caráter. E a ideia com a Renata foi exatamente essa. “Tentamos mostrar como uma pessoa com caráter dúbio e duvidoso pode acabar sendo levada através da corrupção para um lugar pior. É diante do dilema de salvar ou não o Samuel que ela mostra do que é capaz”, define. 

O ator define Samuel, seu personagem, como um cara apaixonado pelo trabalho. "Ele desenvolveu um amor pelo hospital e se tornou um paizão para todos ali. É uma pessoa que ainda tem um pouco do idealismo, mas um idealismo mais cansado, se tornou mais cético no decorrer da vida profissional. Samuel já não tem grandes ilusões, então, ele transfere o entusiasmo para os mais novos, principalmente para o Evandro e Carolina".

Na segunda temporada, Samuel fez um grande contraponto entre modernização e corrupção na série. "Samuel trabalhou naquele hospital sempre na adversidade, sem condições, sem conseguir verba, mas também sem se corromper. Sempre pressionado, claro, como na primeira temporada, em que ele acabou comprando um tomógrafo pelo dobro do preço, mas ou era aquilo ou ficavam sem tomógrafo. Na trama, ele retrata bem a dificuldade que as pessoas que trabalham numa posição semelhante à de Samuel e agora da Renata, personagem da Fernanda Torres, têm pra manter uma linha de honestidade. Eles sofrem uma pressão muito grande e esse é o contraponto entre os dois personagens – um se corrompe e o outro não", define.

Ele também fala sobre a saída da série. "É com coração partido que eu me despeço de ‘Sob Pressão’. Primeiro, porque gostei muito de fazer parte dessa trama e, segundo, pela relação muito boa que a gente construiu ali. Temos uma amizade muito forte nos bastidores, criamos uma relação muito boa e o que acontece no bastidor reflete muito na tela: uma equipe unida. Na vida real não é diferente, também criamos um laço, nos tornarmos todos amigos – elenco, direção, equipe de produção, etc. Fico triste, é claro, mas se a saída dele contribuiu pra desmascarar tudo o que está acontecendo na gestão da Renata, vale a pena. Ele é um personagem que deixará muita saudade. Nos bastidores, nós brincamos muito: Samuel precisa voltar como espírito, um fantasma (risos)".

Relembre as primeiras cenas de Samuel em "Sob Pressão"

Televisão