Sob as lentes do amor: parceiros na vida e na arte

Aíla e Roberta Carvalho e Keila Gentil e Clécio Leitão, falam sobre a parceria nos palcos e na vida

Bruna Lima

Hoje é dia de celebrar o amor. Dia em que os casais usam toda a criatividade e sentimento para surpreender o parceiro ou a parceira com algo que torne a data ainda mais especial. Dia de trocar carinho, presentes e declarações nas redes sociais. E é mergulhados nesse clima de romance que decidimos conversar com artistas paraenses que dividem a vida e também a arte com seus amores. 

Escolhemos casais de artistas que se dividem entre o universo da criação e os afazeres do cotidiano para falar sobre suas trocas e experiências. Uma dessas parcerias que caminham na sintonia fina do amor é a da cantora Aíla e sua companheira Roberta Carvalho, que é artista visual. Aíla diz que estão sempre atentas, uma à outra. Roberta fez a direção de arte e design de vários trabalhos da cantora, como discos e sessões de fotos, e também já dirigiu alguns clipes ('Rápido' e 'Será').

"O amor precisa ser celebrado todos os dias, com a mesma intensidade, com cuidado, afeto, escuta...", se declara a cantora Aíla (Divulgação)

 

 

 

 

"Nossas trocas são diárias, seja de ideias, de sonhos, de desejos. Eu também estou sempre 'me metendo' na carreira dela, nos processos criativos, nas parcerias, no planejamento. Temos tantas trocas artísticas que abrimos até uma produtora cultural juntas: a "11:11 ARTE". Lá a gente realiza projetos como o Festival Amazônia Mapping e o Festival MANA, eventos que já têm uma história no Pará. Por sermos artistas e acreditarmos na arte como plataforma de transformação do mundo, isso nos aproxima ainda mais. É muito bom, um encontro instigante", diz Aíla.

Do primeiro encontro, Roberta Carvalho lembra em detalhes. Elas se conheceram durante uma entrevista e o tema era o trabalho artístico de cada uma. "Eu tinha um horário marcado logo após o dela. Cheguei no local da entrevista e ela ainda estava por lá. Nesse momento senti algo meio sem explicação, um interesse forte por aquela pessoa que acabara de conhecer. De alguma forma aquela presença me instigou. Pela forma de falar, pelo olhar e pela lindeza toda que ela é. Dali pra frente foi quase um ano de entrelinhas, trocas de mensagens, olhares, uma vontade imensa de estar por perto. Até que um dia essa paixão nos moveu e transformou toda nossa vida. Decidimos que precisávamos viver aquilo. Daí já se foram nove anos", conta.

Roberta diz que as trocas são constantes. "Falamos muito sobre os nossos processos e questões. Isso de alguma forma nos fortalece. Foi inevitável trabalharmos juntas". (Divulgação)

 

 

 

 

Dividir a vida com outra artista é super intenso, completa Roberta. Ela diz que a troca acontece a todo instante. "Falamos muito sobre os nossos processos e questões. Isso de alguma forma nos fortalece. Foi inevitável trabalharmos juntas".

Para Aíla, celebrar o "Dia dos Namorados" é um impulso meramente comercial, mas, ela reconhece que quando a publicidade abre caminhos para a diversidade é interessante estar conectada à celebração. "O amor precisa ser celebrado todos os dias, com a mesma intensidade, cuidado, afeto, escuta... Mas, é claro que é legal reservar um dia especial pra ter um encontro mais inusitado, um jantar especial, isso é carinho também. A gente gosta", afirma Aíla.

Quando a paquera virtual passa para a vida real

A primeira pergunta que vem à mente quando se pensa nesse contexto é: como ocorreu o encontro? E é com bom humor que a cantora Keila Gentil conta como foi o primeiro contato "valendo" com o atual marido, Clécio Leitão, que além de DJ é também seus produtor.

Keila e Clécio estão juntos há quatro anos, mas antes de viverem a relação chegaram a se esbarrar diversas vezes pelos palcos da vida. Ela conta que ainda era da Gang do Eletro quando Clécio passou a segui-la nas redes sociais. Ele fazia parte do grupo de rock Projeto Secreto Macacos.

Clécio diz que sempre está junto da Keila, tanto nas viagens pelo Brasil, fazendo shows, como nos trabalhos domésticos. (Divulgação)

 

 

 

 

Apesar dos encontros ocasionais e das singelas investidas pelas redes sociais, não foi na cena cultural que de fato eles se conheceram. "Ele sempre puxava conversa comigo pelas redes sociais, mas eu não interagia muito, era algo bem superficial", lembra a cantora. Até que um certo dia Keila foi ao shopping comprar uma roupa. Por capricho do destino, ele trabalhava na loja que ela escolheu para fazer as novas "aquisições". Foi quando surgiu aquele interesse do tipo "olha, que gatinho", conta a cantora.

Ela postou uma foto nas redes sociais após o encontro e Clécio fez um comentário. Foi aí que ela se tocou que o cara que sempre dava umas investidas era o mesmo da loja de roupas. A partir desse contato as coisas foram acontecendo de forma intensa e, hoje, o casal tem uma filha de dois anos. "É muito engraçado isso. Eu tenho guardado até hoje um jornal onde aparece a foto da Gang do Eletro e a foto do projeto Secreto Macacos. Naquela época eu não imaginava que casaríamos. É muito louco isso", comentou a artista.

Sobre a vida de casados, Clécio diz que sempre está junto de Keila, tanto nas viagens pelo Brasil, fazendo shows, como nos trabalhos domésticos. "Em casa é tudo muito dividido. Com a nossa filha, com os trabalhos de casa, e assim a gente segue".
Na área musical, o casal também mantém a parceria. "Eu venho do rock e acredito que também trago minha identidade para contribuir com o trabalho dela, mas no final quem decide e bate o martelo é ela. Ou seja, a Keila é uma artista segura. Além de marido sou DJ, produtor e fã", completa.

O momento mais difícil da vida dos dois foi quando Keila passou alguns meses internada com infecção. "Nossa foi muito difícil. Foi o pior momento que vivi porque sofri junto com ela, a nossa filha estava com sete meses e foi desmamada. Eu pensei que fosse perder a Keila, não conseguia dormir, foi doloroso demais". Mas essa fase já passou e hoje Clécio só quer música e mais amor para a vida deles.

Cultura