"Duas Rainhas" trata de rivalidade entre rainha e prima na Inglaterra do século XVI

Filme é rico em exemplos de irmandade e frustração

Reuters

Não há nada como um espartilho quando se trata de canalizar a frustração feminina. Que o digam Saoirse Ronan e Margot Robbie, que também tiveram que lidar com cavalos, ventos fortes, perucas e chuva ao rodar o filme de época "Duas Rainhas", que estreia nos cinemas norte-americanos na sexta-feira.

Mas as duas atrizes disseram que não se queixaram da luta com os elementos ao fazerem o filme sobre a rivalidade real entre a rainha Elizabeth 1a e sua prima distante Mary Stuart na Inglaterra do século 16.

"Os trajes eram incríveis. Aqueles espartilhos – você sente que não consegue respirar às vezes. É muito útil quando você está se sentindo frustrada com seus conselheiros homens, sentir aquela falta de ar", disse Margot, que interpreta Elizabeth.

"Duas Rainhas" é rico em exemplos de irmandade e frustração –as duas jovens integrantes da realiza enfrentam a política, complôs, o poder, o amor e seus conselheiros sorrateiros.

O filme é um de vários protagonizados por uma ou mais mulheres que estão chamando atenção com a proximidade da temporada de premiações de Hollywood. Ele também tem uma mulher na direção, a britânica Josie Rourke, mas foi feito antes de o movimento #MeToo aumentar os clamores por mais vozes femininas na indústria cinematográfica norte-americana.

Saoirse, que vive a determinada Mary, que clamou os tronos escocês e inglês cerca de 450 anos atrás, disse que adorou filmar ao ar livre.

"Adorei estar em um cavalo. Quando você ter que lidar com os elementos e um traje com espartilho e animais, isso influencia a atuação", disse a atriz.

Apesar de sentirem uma ligação por causa de suas posições de poder feminino, as duas foram rivais durante toda a vida.

Cinema