O Pará é aqui: Manaus 'abocanha' a culinária paraense

Pelos menos seis restaurantes da capital amazonense oferecem ao público uma experiência típica da gastronomia do Pará. Os cardápios incluem desde pratos como maniçoba e filhote, até drinks com sotaque bem paraense.

Fabiane Morais | Conexão AMZ

A capital amazonense vive um "boom" de restaurantes paraenses, que levam o cliente a saborear e mergulhar em experiências gastronômicas, seja no estilo sofisticado ou "roots". No momento, Manaus possui pelo menos seis points que se firmaram com base na culinária paraense - o tradicional Bragança Frutos do Mar, localizado na avenida Torquato Tapajós; e os novatos Casa Paraense, no bairro Planalto - Zona Centro-Oeste; Garagem Paraense, no bairro Jorge Teixeira, na zona Leste;  Filhote do Pará e Tupaiú, no bairro Parque Dez, na zona Centro-Sul; e Pará Gospel, no bairro Redenção, zona Centro-Oeste.  

Conforme o supervisor de Disseminação de Informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE-AM), Adjalma Nogueira Jaques, o último Censo realizado, em 2010, apontava que no Amazonas moravam 146.081 paraenses, sendo que 125.936 mil deles, estavam em Manaus.

E foi a partir desse nicho de público que o empresário Mauro Nogueira inaugurou a Casa Paraense, em novembro do ano passado. Ele, que nasceu em Nhamundá (AM) e é filho de uma terrasantense e um belenense, comemora o aumento de mais 300% de público, em menos de três meses, no restaurante. "Começamos com uma capacidade para atender 24 pessoas e hoje atendemos 150, já com a meta de chegarmos a 200 pessoas", sinaliza o empresário.

Casa Paraense (Divulgação)

Para ele, a proposta é reduzir a saudade de casa dos paraenses que moram em Manaus. "Todos nossos ingrediente vêm do Pará - o camarão, a maniva, o caranguejo e açaí. Além disso, nossa playlist é composta apenas de músicas paraenses e sempre exibimos os campeonatos paraenses”, conta o proprietário. Entre as delícias que podem ser solicitadas no cardápio, estão o “Pai D Égua”, o X-Tudo Paraense, que leva caranguejo, vatapá, arroz paraense, farofa de camarão, camarão alho e óleo, além da maniçoba e o Tacacá Porrudão.

Filhote do Pará (Ione Moreno)

Já o restaurante Filhote do Pará, desconstrói a ideia de que a comida paraense deve ser feita obrigatoriamente por paraenses. Isso porque o trio de empresários amazonenses, Mario e Elisângela Valle e Wagner Carvalho, apostaram num novo conceito e mergulharam num laboratório de dois anos de gastronomia paraense, visitando os principais restaurantes do Pará, para construir a imagem, sabor e experiência única aos clientes. A conexão paraense é tanta que, ao chegar ao local, o cliente é recepcionado por garçons que lhe oferecem uma fitinha de Nossa Senhora de Nazaré, para que possa fazer três nós de agradecimento ou de pedidos e, em seguida, amarrá-las, no portão localizado no próprio restaurante, que é uma reprodução do verdadeiro portão da Basílica de Nossa Senhora de Nazaré, situado no bairro Nazaré, em Belém do Pará.

No local, ainda há os espaços Carimbó e Cidade Velha, numa simpática referência à capital paraense. O cardápio inclui desde o tacacá e maniçoba até a Chapa Paraense, que vem com isca do peixe filhote empanado, pirarucu seco, isca de carne salmorada, charque, camarão seco, macaxeira frita,  salada, farinha e um bom açaí.

Os drinks são atrativos à parte, com nomes divertidos e muito típicos da tradição paraense, como o "Amansa Corno", "Quebra Inveja" e "Chama Homem".

Para saber mais sobre a gastronomia paraense na cena manauara, você pode acessar perfis como:

@casa_paraense
@filhotedopara
@tupaiuresto
@garagemparaense
@bragancafrutosdomar
@paragospelmanaus

Conexão AMZ
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!