O massacre de Altamira e a disputa pela rota do narcotráfico na Amazônia

Especialista explica a relação entre massacres em presídios da região Norte e a milionária rota do tráfico de drogas que passa pelos Estados do Amazonas e do Pará

Rita Soares | Conexão AMZ

O massacre que deixou 57 mortos no Centro de Recuperação Regional de Altamira é fruto de uma violenta guerra pelo comando das rotas do narcotráfico na Amazônia. Em maio deste ano, a luta sangrenta teve como cenário o  Complexo Anísio Jobim em Manaus, durou vários dias e deixou 59 mortos. Mas afinal, o que estaria por trás da violência nos presídios da região Norte?  “Hoje, a Amazônia representa uma região estratégica para o narcotráfico no Brasil. A principal rota é a do (rio) Solimões e existe uma disputa pelo controle dessas rotas”, diz o pesquisador Aiala Colares, da Universidade do Estado do Pará.

Professor da Uepa analisa a crise nos presídios do Pará (Divulgação)


A disputa pelo milionário caminho da cocaína fez nascer na região facções criminosas locais, como a Família do Norte (FDN), que atua no Amazonas,  e o Comando Classe A  (CCA), apontada como responsável pelas mortes em Altamira.
Um dia após o massacre no presídio em Altamira, o governo do Pará trabalha para evitar nova matança e tenta isolar os líderes das facções. De Altamira, 47 presos estão sendo transferidos. Dez deles devem ir para presídios federais e os demais serão espalhados por outras unidades do Estado. Para Colares, contudo, só essa medida não será suficiente para evitar novos ataques. “Só essa ação não resolve porque o crime cria relações”, diz,  afirmando que a raiz do problema está na política carcerária do Brasil. “O sistema penitenciário no Brasil enfrenta uma crise, se transformou em um depósito de presos. Temos a terceira maior população carcerária do planeta, atrás apenas dos Estados Unidos e China. Essa precariedade fez com que o comando do crime organizado criasse força e ultrapassasse os muros dos presídios”.

Confira a entrevista completa

Conexão AMZ
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!