Paulo Anijar

Chef de cozinha contemporânea com experiência em gastronomia francesa, italiana, confeitaria, panificação e gastronomia molecular. Faz dupla societária com a chef Ilca Carmo no Restaurante Santa Chicória, atuando em eventos e consultoria para restaurantes. Utiliza ingredientes regionais com técnicas variadas e aplicáveis às necessidades dos clientes.

Comer muito bem e barato em São Paulo

Paulo Anijar

Quando morei em São Paulo, na procura de aperfeiçoamento na cozinha, buscando trabalhar de graça em troca de experiencia, conhecimento e agilidade. Mergulhei de cabeça na vida profissional de cozinha; não tinha balada, trabalhei ou estagiei em até dois empregos no mesmo dia, apenas com um objetivo: aprender com os melhores. Fiz a dieta do pão - “pão que o diabo amassou” -. Claro, tentava ir comer em restaurantes, mas a grana era curta e os preços dos restaurantes eram inacessíveis para mim.

Quando estava voltando para Belém, estavam aparecendo novos conceitos de comidas muito boas e baratas, mas quase não peguei essas preciosidades, como por exemplo, de como vender pratos com altíssima qualidade e com um preço justíssimo, que varia entre R$40 a R$50 reais.

Vou listar lugares que são do meu gosto, e que o menu executivo é um excelente custo benefício.

Albertina

Novíssimo restaurante do Chef Bruno Alves, que mistura a cozinha da avó “Albertina” com suas técnicas e ingredientes frescos, e um cardápio datilografado que muda regularmente. Um espaço acolhedor, rustico e vintage. Destaco principalmente o Ravioli de Rabada, massa finíssima, com gremolata de agrião só para deixar o prato mais refrescante. Claro que pedi o Tiramisu. O chef resolveu fugir do modo tradicional, montando camadas alternadas de biscoito champagne feito na casa, com o creme de mascarpone. É cremoso, crocante, tem o aroma de café. Perfeito tudo!

Aska

O verdadeiro e tradicional Lamen japonês. Filas de mais hora, não aceita reserva, atendimento direto, você não escolhe onde vai sentar, pagamento apenas em dinheiro, com uma única opção de prato Lamen. Quem tiver paciência não vai esquecer o melhor Gyoza: pastel feito no vapor e grelhado na chapa, impecável. Esse obrigatório peço de entrada e mais um de sobremesa. O lamen do Aska me fez desejar mesmo no calor escaldante de Sampa, esse meio que ensopado, com barriga de porco, massa artesanal feito por eles (leve e saborosa. Esqueçam o miojo). Ovo, algas e o caldo, esse que é a parte mais importante, rico, complexo e reconfortante.     

Peti

De todos os restaurantes que fui, esse era o que mais tinha curiosidade, pois ofertava o menor preço. Ganhou como um dos melhores de SP, com todo contratempo da cidade, engarrafamento, muita chuva, feiras distantes. Quase perdemos a oportunidade de ir, mas dei um jeitinho, pois descobri que havia uma filial próximo na casa que estávamos hospedados, dentro da Panamericana Escola de Arte e Design, na parte de uma pirâmide de vidro e rodeada do verde do Jardim Europa. O lugar conseguiu fundir perfeitamente com a comida.

Na chegada temos um buffet de entradas, com saladas, e petiscos vegetarianos deliciosos. A cozinha fica dentro do salão. A equipe consegue fazer um trabalho com maestria em um espaço tão pequeno. Mas vamos falar da comida. Pedimos um Fideuá com tinta de lula, vongoles e pimentão defumado. O gosto da massa perfeito, molho delicado, porém se destacava o sabor de frutos do mar. O outro prato foi um Shoulder com mil folhas de batata, carne desmanchando, suculenta e coberta com molho potente a base de vinho, que acompanhou muito bem a chuva, e foi deixando a gente com mais vontade de ficar por lá. O serviço já havia encerrado, com o staff organizando o almoço. Mas pra finalizar, fechamos a sobremesa, que esta foi Ok. Esperava um pouco mais de cremosidade no creme de chocolate, e o gel de café estava suave, sem personalidade. Contudo tivemos um almoço extraordinário, com atendimento simples e informal, mas objetivo. Voltarei sempre, pois o cardápio também muda com pratos magníficos toda semana.

Semana que vem falo apenas do Mercado de Pinheiros, aguardem...

Paulo Anijar