Carlos Ferreira

Jornalista, radialista e sociólogo. Começou a carreira em Castanhal (PA), em 1981, e fluiu para Belém no rádio, impresso e televisão, sempre na área esportiva. É autor do livro "Pisando na Bola", obra de irreverências casuais do jornalismo. Ganhador do prêmio Bola de Ouro (2004) pelo destaque no jornalismo esportivo brasileiro.

Tapajós e Remo estreiam técnicos, mas a pressão maior é sobre o Boto

Carlos Ferreira

Tapajós x Remo: a pressão é do Boto

Penúltimo colocado no seu grupo com cinco pontos, o  Tapajós é um clube em risco de rebaixamento, mesmo tendo quatro a mais que o São Raimundo. O Remo é líder e pode engatilhar a classificação à semifinal nesta rodada. Por isso, a pressão por vitória é do Boto, que deverá tomar as iniciativas e se arriscar mais no jogo. Isso daria ao Leão a resposta óbvia de jogar nos erros do adversário, mas o time azulino está sendo treinado para ter posse de bola e propor o jogo. Se os dois times tiverem a postura prometida, teremos um grande jogo, hoje, em Santarém.

Walter Lima e Márcio Fernandes, dois técnicos estreantes e com mentalidade de jogo ofensivo. O Tapajós pressionado pelos números e o Remo tratando de recuperar a confiança da torcida. Jogo promissor!

 

Papão em estado de graça, mas fazendo treinamentos mentais

Em geral, no futebol, o cuidado com o equilíbrio psicológico só ocorre nas fases críticas. O Paysandu está em “lua de mel” com a torcida, mas não deixa de investir na competência emocional através de preparação psicológica. O trabalho é do coach Kotaro Tuji, que amanhã à tarde terá mais uma sessão com o elenco bicolor.

Os treinamentos mentais em pleno estado de graça tem função preventiva, pela sobriedade tanto no sucesso como em eventual fracasso. Isso é postura profissional! E na avaliação do elenco, comissão técnica e direção do Paysandu, os resultados vêm sendo excelentes no emocional da equipe.    

 

BAIXINHAS

* Remo deve estar na sua penúltima viagem ao interior neste campeonato. Nesta fase, os últimos jogos serão em Belém contra Independente, Paragominas e Paysandu. Na semifinal, deverá ir a Bragança ou Marabá.

* O Leão Azul só voltará ao interior se virar finalista e a decisão não for contra o grande rival. O Papão vai a Santarém no domingo e a Marabá na 10ª rodada. Na semifinal deverá ir a Tucuruí ou Paragominas.  

* Lateral Vitor Luiz (Bulgária), Marcão (Portugal), Douglas Packer (Indonésia), David Batista (Arábia Saudita). Quatro jogadores que o Remo foi buscar na Europa e na Ásia. E somente o atacante David Batista estreou até agora, jogando um amistoso contra o Izabelense, uma partida da Copa do Brasil contra o Serra e três do Parazão contra São Raimundo, Tapajós e Paysandu. Em débito no seu rendimento, está na reserva.

* Goiano, 25 anos, o atacante Vinícius Leite cresceu muito de cotação no Paysandu pela atuação no Re-Pa. É o homem que oferece mais opções de jogo no ataque pelos lados do campo. Ano passado ele fez 29 jogos pelo Vila Nova/GO. Antes havia jogado no Grêmio Barueri, Grêmio Osasco, Audax/RJ, Portuguesa/RJ e no Iporá, time da cidade dele.

* Djalma reassumindo a lateral direita do Remo, mais uma vez barrando o potiguar Geovane. Diogo Sodré mantido como segundo volante pela característica de distribuidor de jogadas, uma virtude que o atleta não vinha mostrando. Fica a esperança de que ele funcione dentro do novo modelo de jogo, agora com peças mais próximas e maior dinâmica na troca de passes.

Carlos Ferreira