Carlos Ferreira

Jornalista, radialista e sociólogo. Começou a carreira em Castanhal (PA), em 1981, e fluiu para Belém no rádio, impresso e televisão, sempre na área esportiva. É autor do livro "Pisando na Bola", obra de irreverências casuais do jornalismo. Ganhador do prêmio Bola de Ouro (2004) pelo destaque no jornalismo esportivo brasileiro.

Salário em dia pode decidir acesso à Série B

Carlos Ferreira

Programada para o período de 9 de agosto a 31 de janeiro, a Série C deverá ter na questão salarial um fator de desequilíbrio. Mais cedo ou mais tarde, o impacto da pandemia nas finanças dos clubes vai se traduzir em atraso de salários e gerar consequências óbvias no ambiente e rendimento das equipes.

Felizmente, Remo e Paysandu estão em dia com os seus profissionais, mas com grande preocupação para o futuro, já que não têm nada a receber de patrocínio do Parazão, da Serie C e da Copa Verde, e muito menos renda de bilheteria. A salvação da pátria seria o programa de sócio torcedor, que depende fundamentalmente das campanhas em campo e da produtividade do marketing. Pelo menos, Leão e Papão têm clientela para fazer dinheiro, ao contrário da maioria.

Faltam 30 dias para a Série C

O Remo no interior da Bahia contra o Jacuipense e o Paysandu em Belém contra o Santa Cruz. Assim vai começar a Série C, cuja primeira data é 9 de agosto, conforme anúncio oficial feito ontem pela CBF. Para a reabertura do Parazão, a contagem regressiva acusa 21 dias de distância.

Na segunda rodada, o Remo vai receber o Ferroviário e o Paysandu vai visitar o Vila Nova. Nas sete rodadas seguintes, dos jogos de ida, o Leão vai jogar em casa contra Vila Nova, Botafogo e Manaus. E fora contra Imperatriz, Treze e Santa Cruz. Depois tem Re-Pa. O Papão jogará em casa contra Treze, Jacuipense e Imperatriz. Fora comtra Manaus, Ferroviário e Botafogo. Em seguida, Re-Pa.

BAIXINHAS

* Logo ao estrear na Série C, o Remo vai reencontrar o meia Rafael Bastos, que teve apagada passagem pelo clube em 2018. O Santa Cruz, primeiro adversário do Papão, tem no meia Chiquinho e no atacante Pipico os seus principais destaques.

* Jovens Vitor Diniz e Alan Calbergue são opções interessantes para Hélio dos Anjos para a posição onde tem Alex Maranhão e Luis Felipe. Dos dois garotos, Calbergue está mais maduro e pode até ser o terceiro volante, função confiada a Serginho.

* Se o Papão ganhou os meias Vitor Diniz e Calbergue, o Castanhal ganhou o goleiro Iago Sales e o lateral Magnum. Pelo que mostrou no ano passado, Iago Sales é bem mais goleiro que Artur, que deixou o clube. O Japiim ganhou nessa troca.

* Só o meio de campo do Remo ainda tinha qualquer peça nova. Agora tem o volante Júlio Rusch, que chegou ontem. Se bem que das antigas peças Carlos Alberto é uma nova opção para Mazola Júnior.

* Serie D, de 6 de setembro a 7 de fevereiro. Bragantino vai estrear em casa contra o Vilhense de Rondônia e o Independente no Acre contra o Rio Branco. Copa Verde segue sem data para começar.

* Por onde anda, o master Júlio César, do Flamengo, é chamado de "Uri Geller", apelido que ganhou do narrador Jaime Bastos, em Belém, jogando pelo Remo e "entortando" marcadores em 1977 e 1978. Uri Geller era um ilusionista israelense que "entortava" objetos, muito famoso na época.

Carlos Ferreira
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!