Carlos Ferreira

Jornalista, radialista e sociólogo. Começou a carreira em Castanhal (PA), em 1981, e fluiu para Belém no rádio, impresso e televisão, sempre na área esportiva. É autor do livro "Pisando na Bola", obra de irreverências casuais do jornalismo. Ganhador do prêmio Bola de Ouro (2004) pelo destaque no jornalismo esportivo brasileiro.

Presidente e diretor do Remo respondem a perguntas de torcedores na era digital

Carlos Ferreira

Plenária do Remo com torcedores, evento típico da era digital

Hoje, 19h30, o presidente Fábio Bentes e o diretor de futebol Dirson Medeiros vão se colocar diante de torcedores do Remo, na sede do clube, para responder às indagações, críticas, sugestões... O presidente do Paysandu, Ricardo Gluck Paul, fez o mesmo na última sexta-feira. Plenária de clube com torcedores é evento típico da era digital. O evento é aberto a todos, mas, em geral, comparecem os torcedores mais engajados, que se tornam influenciadores pelas mídias sociais. 

A atitude dos dirigentes, no "tete a tete" com torcedores, permite as mais diversas interpretações, até por ser algo novo. O fato é que está dentro de uma tendência de comunicação direta. É coisa dos novos tempos!

 

Como fica a imprensa nesse novo contexto?

As informações e análises da imprensa sempre irão pautar as plenárias dos clubes. Os dirigentes estão criando, assim, uma oportunidade de explicar o que nem sempre conseguem através dos veículos convencionais de comunicação e não vale a pena através do site ou das redes sociais oficiais. Isso vai atender à expectativa dos clubes? Sabe-se lá! Digamos que estão experimentando.

Neste momento do Remo não deve ser nada confortável se submeter à sabatina de gente tão descontente. Isso legitima o evento de hoje, considerando-se que não há restrição. Todos podem participar. O Paysandu fez sua plenária num momento mais favorável, mas deve ter colhido bons frutos. Tanto que inspirou o rival. 

 

BAIXINHAS 

* Bragantino é o único clube que não perdeu jogador durante este campeonato. Do Águia saíram recentemente o meia Ramonzinho e o lateral Batata. Todos os outros clubes já haviam sofrido perdas ou feito dispensas. 

* Do Paysandu saiu o atacante Caion e do Remo o meia Wallacer. Ontem foram dispensados Welton e Vitor Luís. E ainda haverá mais liberações no Leão, que está contratando um lateral esquerdo. 

* Bruno Colasso completando a recuperação para voltar ao time do Paysandu. De todos os importados já observados, o lateral esquerdo é o mais discreto até agora, apesar do ótimo currículo. Elielton, contratação regional, é outra peça com resposta discreta. É um jogador que tem dificuldade para assimilar função tática. 

* Dos seis atletas do Remo promovidos da base, só Keven e Laílson têm jogado. O zagueiro é titular e o meia um reserva bem acionado. Zagueiro Fábio, volante Pingo, atacantes Wállace e Wenderson continuam na fila. 

* David, lateral esquerdo do sub 17, treinou entre os profissionais azulinos esta semana, mas voltou para a base. Terá outra oportunidade quando estiver com estrutura muscular compatível. Reflexo da falta de academia no clube.

* Castanhal não faz gol há 331 minutos. O segundo e último foi de Abuda, de pênalti, contra o São Raimundo, na única vitória do Japiim. Treze da Paraíba é o recordista no jejum de gols nos estaduais com 453 minutos, seguido por Veranópolis/RS, Fortaleza, Operario/MT, Cianorte/PR, Boca Juniors/SE e o Castanhal.

Carlos Ferreira